Pular para o conteúdo principal

MARIANA - A PRIMEIRA DAS MINAS GERAIS

















BEM VINDO A BELA CIDADE DE MARIANA. A PRIMEIRA CAPITAL DAS MINAS GERAIS
foto - ?
MARIANA TEM 54,219 HABITANTES - IBGE 2010 -
QUEM NASCE EM MARIANA EH: MARIANENSE
A CIDADE FAZ ANIVERSÁRIO EM 16 DE JULHO E FOI FUNDADA EM 1.696
ORIGEM DO NOME

A Carta Régia de 23 de abril de 1745, expedida por dom João V, elevou a vila à categoria de cidade, com o nome de Mariana, em homenagem à rainha dona Maria Ana d'Áustria. Mariana foi a primeira vila de Minas Gerais e a primeira localidade da capitania a receber foros de cidade.
HISTÓRIA

EXPLORANDO a região já anteriormente percorrida por outros expedicionários não menos audazes, bandeirantes paulistas chefiados pelo coronel Salvador Fernandes Furtado acamparam, em 16 de julho de 1696, dia da Virgem do Carmo, na margem de um pequeno rio onde o ouro aflorava abundante. E a que foi dado o nome de ribeirão do Carmo. Fincado o marco da conquista em colina próxima, o capelão da bandeira, padre Francisco Gonçalves Lopes, rezou, no dia seguinte, em altar improvisado, a primeira missa.
Iniciou-se o povoamento, dando origem ao arraial de Cima do ribeirão do Carmo, onde, em 1701, Salvador Fernandes Furtado fez construir uma capela. O modesto arraial adensava-se dia a dia, atraindo considerável multidão dos mais recuados pontos do País e da Metrópole.
A essa altura, já estavam praticamente localizadas as mais importantes jazidas auríferas de Minas, desenvolvendo-se o ciclo que durou por mais de um século e em cujo período floresceu numerosas localidades mineiras.
A vila, em pouco tempo, transformou-se em principal centro de comércio e instrução de Minas Gerais. O sucessor de Albuquerque, dom Brás Baltazar, encontrou várias dificuldades em solucionar a cobrança do quinto por bateia utilizada na exploração do ouro. Temendo uma guerra civil, comunicou­-se com o governo metropolitano, que ordenou fosse o imposto cobrado sobre o montante do metal extraído e sobre as indústrias e profissões. Essa providência acalmou momentaneamente os ânimos.
Foi criada, a 2 de dezembro de 1.720, a capitania independente de Minas Gerais.
Depois do conde de Assumar, os governadores passaram a residir em Vila Rica, onde, por volta de 1740, estava sendo construído o palácio do governo.
AQUI A ESTAÇÃO FERROVIÁRIA
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano

MUSEU ARQUIDIOCESANO
Berço da religiosidade mineira, Mariana tem neste museu um fabuloso acervo de objetos utilizados no cerimonial religioso. São esculturas, prataria, mobiliário, jóias, vestimentas, pinturas... Possui obras atribuídas a Aleijadinho e Manuel da Costa Ataíde. O prédio é de 1770 e funcionava como Casa Capitular, lugar das reuniões dos cônegos. Segundo alguns historiadores, no andar térreo funcionou um Aljube, espécie de prisão para eclesiásticos.
foto - Roberta Soriano

SEDE DO PODER LEGISLATIVO - CÂMARA DE VEREADORES
No local existiu o quartel dos Dragões, guarda que servia aos governadores da capitania. Lá depois foi construído - na segunda metade do século XVIII - um imponente prédio, onde foi instalada a Câmara, tendo na frente um pelourinho. Medidas como estas estavam entre as primeiras providências tomadas pela Metrópole para ordenar e regulamentar importantes espaços públicos. Em seu andar térreo funcionava a cadeia.
foto -  Tiago Soares
foto - Wikipédia
COLÉGIO DA PROVIDÊNCIA
foto - Roberta Soriano

PELOURINHO
Estas construções serviam como Marcos de Jurisdição. Neles eram castigados os infratores. O pelourinho original de Mariana foi executado por José Moreira Matos em 1750 e demolido em 1871. O atual foi construído na década de 1970. Tem no alto um globo simbolizando as conquistas marítimas portuguesas. O braço esquerdo sustenta uma balança, representando a justiça. O direito segura uma espada, ou seja, a condenação. Ao centro está o Brasão Português.
foto -   Antônio de Andrade

CHAFARIZ SÃO FRANCISCO
Sólida construção bem ao lado da Praça Gomes Freire, antigo reduto da elite marianense. Vizinho a ele está a casa que pertenceu ao Conde de Assumar e depois ao primeiro bispo de Mariana. Sua arquitetura bem trabalhada denota sua importância, simbolizada também pela coroa e brasão esculpidos no frontão.
foto - Roberta Soriano
CHAFARIZ SÃO PEDRO
foto - Roberta Soriano

MINA DA PASSAGEM
O que se lê nos livros sobre a exploração do ouro em Minas Gerais pode ser visualizado na Mina da Passagem. Visitá-la é como viajar pela história, vivenciando a saga e a sina perigosa dos homens que procuravam pelo ouro no interior das montanhas mineiras. Só desta mina foram retiradas aproximadamente 35 toneladas do precioso metal, desde o início de suas atividades, na primeira metade do século XIX, até 1984. Possui amplos salões, 30 quilômetros de túneis e lagos subterrâneos de águas cristalinas, onde é praticado o mergulho em caverna. Um pequeno trolley (espécie de vagão com bancos), usado pelos mineiros na época da exploração do ouro, leva o turista a mais de 120 metros de profundidade.
Localização: Distrito de Passagem de Mariana, a quatro quilômetros da cidade
Visitas guiadas: preços sob consulta. Preço especial para grupos.
Horário: diariamente, de 09:00 às 17:30h
Obs: preços e horário sujeitos a mudanças inesperadas
Contato: (0xx31) 3557-5000
foto -  PMM
foto - PMM

IGREJA DE SÃO PEDRO DOS CLÉRIGOS, ALTAR E LATERAL
É bem perceptível a influência italiana nessa igreja da segunda metade do século XVIII. O traçado poligonal e ovalado marcam bem esta característica. Não se sabe quem foi o autor e executor do projeto. Suas obras permaneceram paralisadas por mais de um século. O exterior é imponente e se encaixa perfeitamente no conjunto paisagístico ao seu redor. O interior é bem simples e teve seu acervo de artes sacras transferido para o Museu Arquidiocesano. Merece destaque o altar-mor em cedro e um dos maiores santos-do-pau-oco de Minas. Da torre se tem uma bela vista de Mariana. A subida é permitida.
foto -  Antônio de Andrade
foto - Roberta Soriano
foto -  Tiago Soares
IGREJA DE NOSSA SENHORA DO CARMO E INTERIOR
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano

IGREJA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO
Uma das mais belas da cidade. Começou a ser construída em 1752, pela irmandade dos negros, sob a invocação de Nossa Senhora do Rosário, São Benedito e Santa Efigênia. De 1823 a 1826, Mestre Ataíde fez as pinturas e o douramento do altar-mor e altares laterais. Também participou da ornamentação o artista Francisco Vieira Servas.
foto -  Geraldo Salomão
CAPELA DO SEMINÁRIO
foto -  Tiago Soares
CAPELA SÃO JORGE E MERCADO AO LADO
foto - Roberta Soriano

CATEDRAL BASÍLICA DA SÉ OU DE NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO, SUA TORRE E INTERIOR
De arquitetura singela, bem ao estilo das primeiras construções religiosas de Minas. Faz parte do conjunto das mais ricas e importantes igrejas mineiras. Teve suas obras iniciadas no princípio do século XVIII, com o erguimento da primitiva capela de Nossa Senhora da Conceição. Depois de sucessivas ampliações foi concluída em 1760. Se por fora o prédio tem um aspecto sólido e sóbrio, por dentro impressiona pela riqueza de sua ornamentação. Mestres como Ataíde e Aleijadinho contribuíram com seu talento para dar mais fausto à decoração. Merece destaque o cadeiral dos cônegos (com pinturas de inspiração oriental), o lavabo da sacristia (atribuído a Aleijadinho) e o órgão Arp Schnitger. Os concertos na Catedral são uma atração imperdível.
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
IGREJA DE SANT'ANA
foto - Roberta Soriano

IGREJA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS E SEU INTERIOR
Na igreja está os restos mortais de Mestre Ataíde (sepultura 94, no chão), nascido em Mariana. São do artista as pinturas da nave e da sacristia, além das três imagens da Paixão (tabernáculo, altar-mor e altar de Santa Isabel). Os púlpitos em pedra-sabão são atribuídos a Aleijadinho, que deixou clara sua influência nas sineiras e risco da fachada. Sua construção se estendeu de 1762 a 1794 e contou com a participação do mestre de obras José Pereira Arouca.
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
IGREJA DE NOSSA SENHORA DA GLÓRIA
foto - Geraldo Salomão

CENTRO CULTURAL E HISTÓRICO / CONHEÇA UM POUCO MAIS DE MARIANA
As ruas da cidade histórica de Mariana, em paralelepípedos, e a riqueza das peças artesanais de madeira entalhada e pedra sabão, além de artigos em tapeçaria, abrem as portas do barroco mineiro ao turista. Seu charme é inigualável. A apenas 10 minutos de Ouro Preto, Mariana é excelente opção de hospedagem para quem deseja conhecer o circuito do ouro afastado do grande agito da cidade vizinha. O turista encontra opções de hospedagem em hotéis no centro de Mariana, hotéis próximos à Rodoviária, pousadas diversas, e até pousadas com características rurais no raio de pouco mais de um quilômetro do centro histórico.
O turismo em Mariana se destaca pela presença de igrejas, museus e uma imponente arquitetura urbana colonial, com destaque para a Rua Direita, considerada a mais bela de Minas Gerais. Outros importantes atrativos turísticos de Mariana são a Mina da Passagem, local onde se concentrava a produção de ouro, e para os amantes do Ecoturismo, a Cachoeira da Serrinha, na Serra do Itacolomi.
São mais de 13 os Conjuntos de Monumentos Históricos de Mariana que podem ser conhecidos e visitados. E a maioria deles com visitas Guiadas e atendimento a pesquisadores.
Além da arquitetura barroca, da arte nas esculturas, talhas e pinturas, Mariana oferece também passeios pelo centro histórico, e ainda o concerto de música erudita com o órgão Arp Schnitger, realizado na Catedral da Sé, na Rua Direita. Visitando a Praça Minas Gerais o turista conhece monumentos históricos como o Pelourinho, a antiga Casa da Câmara e Cadeia, além das de Igrejas São Francisco e Nossa Senhora do Carmo.
foto -  PMM
foto -  Tiago Soares
foto -  Tiago Soares
foto - ?
foto - Roberta Soriano
foto - Wikipédia
foto - Roberta Soriano
foto -  Tiago Soares
foto -  Tiago Soares
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
foto - Antônio de Andrade
foto - Roberta Soriano
foto -  Tiago Soares
foto -  Tiago Soares
foto - Roberta Soriano
foto - Dine Rezende
foto -  Tiago Soares
foto - Wikipédia
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
foto - Roberta Soriano
foto - Antônio de Andrade
foto - Wikipédia
foto -  Tiago Soares
foto - Henrique Von Hertwing Bittencourt
foto -  Tiago Soares
foto - Roberta Soriano

PRAÇA GOMES FREIRE
Um dos locais mais agradáveis de Mariana, cercado por casario do século XVIII. O lugar era antigamente utilizado para cavalhadas e touradas, festas religiosas e reais. Ainda existe um bebedouro para os animais, construído no governo do Conde de Assumar
foto -  Tiago Soares
foto - Roberta Soriano
foto -  Tiago Soares
ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DO DISTRITO DE FURQUIM
foto - Wikipédia
RUA DO DISTRITO DE FURQUIM
foto - Milton Brigoline Neme
CHEGANDO / SAINDO
foto - Wikipédia

ECO ADVENTURE MARIANA
Passeios ecoturísticos a pé ou em jipes adaptados aos atrativos da Região dos inconfidentes, que abrange as cidades de Itabirito, Ouro Preto, Mariana, Catas Altas, Santa Bárbara, Acaiaca, Barra Longa e Diogo de Vasconcelos. Além de percorrer os distritos com passeios em cachoeiras, city tours, visitas aos parques ecológicos, mirantes naturais e muitos outros atrativos. Os grupos serão levados por guias especializados em Educação Ambiental e Ecoturismo.
Passeios agendados e preços sob consulta.
foto -  Geraldo Salomão
foto - Wikipédia
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE
ESTE EH O BRASÃO DO MUNCÍPIO


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIANÓPOLIS / TOCANTINS - Berço cultural do estado, tem mais à oferecer, cascatas, cachoeiras, museu e "garganta"; platô da serra geral com cânions e mirantes

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "DIANÓPOLIS" / TOCANTINS / BRASIL DIANÓPOLIS
BEM VINDO A CIDADE DE DIANÓPOLIS. CIDADE DO DIANOFOLIA
imagem - ? População estimada 2016 (1) - 21.457
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 3.217,313
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 5,94
Código do Município 1707009
Gentílico - dianopolino
ORIGEM DO NOME DE DIANÓPOLIS, TO
A origem do nome "Dianópolis" está relacionada a Francisco das Chagas Moura, que foi prefeito do município entre os anos de 1934 a 1938. Então, a cidade chamava-se "São José do Du•ro". "Duro" era uma simplificação de "D´ouro", uma vez que a região era rica em ouro em seu subsolo. Quando prefeito, Francisco Moura indicou que a cidade fizesse uma homenagem às senhoras do lugar que chamavam-se "Custodiana", conhecidas pela alcunha de "Diana". Daí a indicação da cidade passar a chamar-se "Dianópolis", quer dizer, "Terra das Dianas".
Gentílico: …

CATAGUASES / MINAS GERAIS - Venha ver e fazer filmes nesta cidade cinematográfica. Deixe saudades e leve lembranças

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "CATAGUASES" / MINAS GERAIS / BRASIL “O nome Cataguases vem – pelo menos, até provas em contrário, pois muitas são as controvérsias nessa cidade em constante questionamento – , pois é, o nome Cataguases parece que vem de uma tribo de índios que habitava a região, os ‘Catu-auás’. Dizem que o nome catu-auá significa em tupi-guarani ‘terra de gente boa’. E Cataguases sabe receber muito bem. Quem bebe da água do Rio Pomba nunca deixa de voltar. Dizem. ” Confira alguns dos mais importantes pontos turísticos de Cataguases. Além de inúmeras obras artísticas e arquitetônicas modernas tombadas pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), Cataguases também oferece inúmeras construções marcantes do final do século XIX, belíssimas paisagens naturais, museus, centros culturais e muito mais! PONTE METÁLICA (DE 1.914) A construção da Ponte Metálica foi determinada em 1910, devido à solicitação do deputado federal Astolpho Dutra Nicácio. Ela…

BRAGANÇA / PARÁ - A cidade respira Fé, Tradição e Cultura, nas belezas de suas praias, manguezais, rios, igarapés e ilhas

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "BRAGANÇA" / PARÁ / BRASIL  Bragança, localizada na região nordeste do Pará, a 210 quilômetros de Belém, capital do Estado, é um dos municípios mais procurados pelos turistas ao longo do ano, em especial durante as férias escolares.
Lar da Marujada, manifestação cultural que reúne milhares de pessoas no município para festejar São Benedito, Bragança tem praias oceânicas belíssimas, pra quem quiser aproveitar em qualquer época do ano.

A cidade, de origem portuguesa, guarda na sua cultura características religiosas marcantes e também festeja São Sebastião e Nossa Senhora de Nazaré.
Suas fronteiras são estratégicas. Assim, o município oferece o maior número de opções aos turistas: ao Norte está o oceano Atlântico, ao Sul, o município de Santa Luzia do Pará, a Leste os municípios de Augusto Corrêa e Vizeu e a Oeste, Tracuateua.

Na língua tupi, Caeté quer dizer 'mato grande' e, por estar localizada à margem esquerda do rio Caeté, Bragança é c…