Pular para o conteúdo principal

MUCUGÊ / BAHIA - Entre montanhas, alia ao seu cenário espetacular a um patrimônio arquitetônico colonial preservado na Chapada Diamantina




LINHA DO TEMPO DE "MUCUGÊ" / BAHIA / BRASIL 
Eh mais um destino com Centro Histórico preservado nos arredores do Parque Nacional. Pequena, a cidade tem circulação simples: existem apenas duas avenidas centrais, ambas de paralelepípedo, uma continuação da outra.
As duas igrejas, a praça com coreto e o calçamento de pedras são irresistíveis para um passeio a pé. Duas paradas são clássicas: a associação de guias, onde você agenda seus passeios, e a casa de Dona Nena, que capricha na comida caseira. Na beira da BA-142, com acesso a pé a partir da cidade, fica o curioso cemitério bizantino.
MUCUGÊ NA CHAPADA DIAMANTINA
imagem - Soteropolis 1
MUCUGÊ TEM 10.545 HABITANTES - IBGE 2010 -
QUEM NASCE EM MUCUGÊ EH: MUCUGEENSE
A CIDADE FAZ ANIVERSÁRIO EM 17 DE MAIO E FOI FUNDADA EM 1.844
ORIGEM DO NOME
O nome Mucugê foi tirado do rio que a cerca, que por sua vez se referia a uma fruta comida pelos índios.
HISTÓRIA
A cidade de Mucugê é uma das mais antigas da região da Chapada Diamantina. A cidade era um dos principais centros de exploração de ouro e de diamantes, assim como a famosa cidade de Lençóis, apresentando até hoje os casarões coloniais de estilo português.
Nas primeiras décadas do século XIX, quando um antigo garimpeiro de nome José Pereira do Prado, conhecido como Cazuza do Prado, que passando por essas terras em 25 de junho de 1844, suspeitou no cascalho do Rio Mucugê, próximo ao Rio Cumbucas, possuir características de um cascalho diamantífero, naquele dia de São João, as terras altas da Serra do Sincorá começaram a justificar o nome pelo qual, se tornaram conhecidas como Lavras Diamantinas.
Após a revelação, houve uma corrida desenfreada em busca do sonho da riqueza rápida, atraindo para Mucugê, uma população de mais 30.000 habitantes.
Nasceu assim a povoação de Mucugê do Parguaçu.
AQUI UMA ESCOLA MUNICIPAL
imagem - Soteropolis 1
Situada entre montanhas, a cerca de 1000 m de altitude, com temperaturas que chegam a 7° C no inverno, alia ao seu cenário espetacular a um patrimônio arquitetônico colonial muito bem preservado, que inclui um cemitério em estilo bizantino, único no Brasil. Hoje, com cerca de apenas 15.000 habitantes, o município está situado numa área de preservação ambiental, com uma vegetação de campos gerais, tipo cerrado, onde abundam as flores do tipo sempre-viva. A região é repleta de cachoeiras, grutas e formações rochosas peculiares. A cidade é muito bem cuidada, com muitos jardins, e possui excelente estrutura hoteleira e de serviços. O que faz do turismo a sua principal fonte de renda, tanto o de aventura, como o histórico, de lazer e ainda de festividades, já que promove uma das festas juninas mais concorridas da Bahia. Próximo à cidade localiza-se um parque ambiental muito bem estruturado, que abriga algumas instituições de pesquisa científica, como o Museu Vivo do Garimpo e o Projeto Sempre-Viva, que valem à pena conhecer. Bem vindos a uma das mais belas pequenas cidades da Bahia e do Brasil!
CONHEÇA UM POUCO MAIS DA CIDADE DE MUCUGÊ
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
POUSADA
imagem - Soteropolis 1
PRAÇA DO BANCO DO BRASIL
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
RUA CENTRAL
imagem - Soteropolis 1
SEDE DO PODER EXECUTIVO - PREFEITURA
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
MATRIZ DE SANTA ISABEL
imagem - Soteropolis 1
MUSEU DO GARIMPO
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
PROJETO SEMPRE VIVA
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
PARQUE ECOLÓGICO
imagem - Soteropolis 1
CACHOEIRAS
imagem - ?
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
imagem - Soteropolis 1
CEMITÉRIO BIZANTINO

TREKKING MUCUGÊ-ANDARAÍ/VALE DO PATY
É uma versão alternativa de um dos trekkings mais famosos do país (Vale do Capão-Andaraí), partindo de Mucugê. A diferença está no primeiro dia: a trilha é a mesma que leva ao Cachoeirão, e você escolhe se quer dormir lá (acampando ou na casa de nativos). Depois, a sequência é idêntica ao trekking que começa no Vale do Capão, com outra visita ao Cachoeirão, agora por baixo da queda. São 70 km percorridos em quatro, cinco ou seis dias, sempre com a companhia de um guia (agende com as ACVs ou com a Pousada Sincorá, em Andaraí).
Trekking no vale do Paty, em Mucugê, na Bahia; na foto, visitantes aproximam-se do Morro Branco
O trekking do Vale do Paty/Mucugê - Andaraí é uma versão alternativa do famoso trekking do Vale do Paty, com saída de Mucugê (BA)
Vista do Vale do Paty durante o trekking
Vista do Vale do Paty, na Chapada Diamantina, Bahia
Entre as paradas do trekking, está a do mirante do Cachoeirão - só para corajosos
No trekking, são percorridos 70 km em quatro, cinco ou seis dias
CACHOEIRÃO
Várias quedas d'água, que brotam de um paredão em meia-lua, transformam a paisagem numa cortina de cachoeiras. No inverno, quando elas secam quase por completo, o belo cânion aparece.
Na trilha de quatro horas (só ida, sempre com guia) que leva ao topo é preciso transpor uma serra, mas o percurso é feito em terreno plano. A caminhada começa na estrada Guiné-Mucugê, a 46 km da cidade.
No trekking do Vale do Paty, muitos guias incluem a passagem pelo Cachoeirão no percurso.
TREKKING DAS SETE QUEDAS
A trilha guiada (7 km, duas horas, só ida) parte da cidade e passa por sete cachoeiras - a primeira, com 12 m, aparece depois de uma hora de caminhada. Além das quedas você também avista, no caminho, antigas tocas de garimpeiros e grande quantidade de orquídeas e bromélias.

CACHOEIRA TRÊS BARRAS E CRISTAIS 
As quedas de 40 m e 70 m formam uma espécie de escada gigantesca e um dos maiores poços para banho da Chapada. A caminhada guiada (2h30, 7 km, só ida) começa em Mucugê, com trechos íngremes, segue pelo curso do Rio Piaba com dificuldade média até a primeira queda e torna-se difícil até a segunda.

ONDE COMER (SUGESTÃO)
DONA NENA RESTAURANTE
Rua Direita, 140 
Centro 
(75) 3338-2123 (Fone) 
Serve delícias caseiras, como o bife acebolado, purê de abóbora, cortado de palma (cacto em pedaços e refogado) e de mamão verde.
ONDE FICAR (SUGESTÃO)
POUSADA MUCUGÊ

Rua Doutor Rodrigues Lima, 30
Centro
(75) 3338-2210 (Fone)
pousadamucuge.com.br
Estacionamento
Internet wifi grátis

Piscina
RIO
imagem - ?
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO


fonte / fotos =  Thymonthy Becker / viajeaqui.abril.com.br / IBGE / Wikipédia /  Divulgação / 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIANÓPOLIS / TOCANTINS - Berço cultural do estado, tem mais à oferecer, cascatas, cachoeiras, museu e "garganta"; platô da serra geral com cânions e mirantes

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "DIANÓPOLIS" / TOCANTINS / BRASIL DIANÓPOLIS
BEM VINDO A CIDADE DE DIANÓPOLIS. CIDADE DO DIANOFOLIA
imagem - ? População estimada 2016 (1) - 21.457
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 3.217,313
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 5,94
Código do Município 1707009
Gentílico - dianopolino
ORIGEM DO NOME DE DIANÓPOLIS, TO
A origem do nome "Dianópolis" está relacionada a Francisco das Chagas Moura, que foi prefeito do município entre os anos de 1934 a 1938. Então, a cidade chamava-se "São José do Du•ro". "Duro" era uma simplificação de "D´ouro", uma vez que a região era rica em ouro em seu subsolo. Quando prefeito, Francisco Moura indicou que a cidade fizesse uma homenagem às senhoras do lugar que chamavam-se "Custodiana", conhecidas pela alcunha de "Diana". Daí a indicação da cidade passar a chamar-se "Dianópolis", quer dizer, "Terra das Dianas".
Gentílico: …

MANHUAÇU / MINAS GERAIS - Rodeada por belezas naturais como o Pico da bandeira, belíssimas paisagens como as plantações de café, além de construções centenárias

LINHA DO TEMPO DE "MANHUAÇU" / MINAS GERAIS / BRASIL
Situada na zona da mata de Minas Gerais, Manhuaçu é o maior e mais desenvolvido município da região. Sua localização estratégica possui acesso a diversas rodovias estaduais e federais, estando rodeada por belezas naturais que você não pode deixar de conhecer. Manhuaçu também se destaca pela economia, que gira principalmente na produção de café. A produção regional é a maior do Brasil, sendo produtos de consumo nacional e internacional. Existem muitas fazendas de café na região, que além do impulso econômico, proporcionam uma belíssima paisagem.  Cafezal com pés carregado de café foto - ? Alguns dos maiores atrativos da cidade estão no Ecoturismo. Os principais pontos são a Pedra Furada, reservas Monte Alverne, Sítio Graciema e Mata do Sossego e os balneários Recanto no Paraíso e Cachoeira Sette. A cidade também é rica em patrimônio histórico. A Igreja Matriz São Lourenço, localizada no Centro, é o principal ponto da cidade, co…

CATAGUASES / MINAS GERAIS - Venha ver e fazer filmes nesta cidade cinematográfica. Deixe saudades e leve lembranças

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "CATAGUASES" / MINAS GERAIS / BRASIL “O nome Cataguases vem – pelo menos, até provas em contrário, pois muitas são as controvérsias nessa cidade em constante questionamento – , pois é, o nome Cataguases parece que vem de uma tribo de índios que habitava a região, os ‘Catu-auás’. Dizem que o nome catu-auá significa em tupi-guarani ‘terra de gente boa’. E Cataguases sabe receber muito bem. Quem bebe da água do Rio Pomba nunca deixa de voltar. Dizem. ” Confira alguns dos mais importantes pontos turísticos de Cataguases. Além de inúmeras obras artísticas e arquitetônicas modernas tombadas pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), Cataguases também oferece inúmeras construções marcantes do final do século XIX, belíssimas paisagens naturais, museus, centros culturais e muito mais! PONTE METÁLICA (DE 1.914) A construção da Ponte Metálica foi determinada em 1910, devido à solicitação do deputado federal Astolpho Dutra Nicácio. Ela…