sexta-feira, 19 de agosto de 2016

MURALHA DA CHINA / PEQUIM (BEIJING) / CHINA - Serpenteando desertos, planícies e montanhas com seus 21.196 km de extensão




LINHA DO TEMPO DA "MURALHA DA CHINA" / PEQUIM (BEIJING) / CHINA
A Grande Muralha da China foi iniciada no governo do primeiro imperador Qin Shi Huang, entre 221 e 210 a.C., como um sistema defensivo contra as hostis tribos nômades do norte. Ampliada pelas dinastias subsequentes, suas sólidas fundações e torres de vigia eram equipadas com sinalizadores de fumaça e podiam ser cavalgadas por vários guerreiros-mensageiros. 
A Grande Muralha da China foi originalmente construída a mando do primeiro imperador, Qin Shi Huang, para proteger o país dos bárbaros do norte. Apesar de sucessivos mandatários fortificarem e ampliarem os muros, ele nunca provou ser um método defensivo muito eficaz
Apesar dos enormes recursos financeiros e humanos despendidos em sua construção, a Grande Muralha nunca provou ser muito efetiva. Dezenas de infiltrações foram realizadas ao longo dos séculos por conta da ajuda de guardas mal-treinados, pouco alertas e corruptos. 
Dentre as invasões mais notórias destacam-se a de mongóis e manchus, cujas forças viriam a criar novas linhas dinásticas no império chinês. Com a chegada ao poder da dinastia Qing no século 17, boa parte das edificações entraria em colapso e esquecimento. 
Trecho da Grande Muralha da China em Badalin, construída a mando dos imperadores Ming. Localizada a 80 km de Pequim, Badalin é um dos muitos locais onde a visita é aberta ao público
Com o boom econômico e o aumento do fluxo de turistas aumentando ano a ano após os Jogos Olímpicos de 2008, o governo vem patrocinando a restauração de várias áreas da muralha, nem sempre com técnicas e resultados muito genuínos. 
Uma informação nada confiável, que os guias locais adoram repetir, e que é amplamente propagada por aí, é que a Muralha poder ser vista da Lua. Visível ela o é somente para satélites e astronautas em órbitas muito mais próximas, assim como o são (e com muito melhor nitidez) outras obras humanas como a ilha holandesa de Flevoland, as docas e o aeroporto da baía de Osaka e até algumas rodovias largas e iluminadas. 
Serpenteando desertos, planícies e montanhas do país entre o Mar Amarelo, a leste, e o Deserto de Gobi, a oeste, a forma mais fácil de conhecer essa grande obra é através de excursões organizadas que partem de Pequim. A partir da capital chinesa é possível visitar vários trechos, em diversos estados de conservação, tais como: 
Badaling 
A apenas 70 quilômetros do centro de Pequim, esse trecho é o mais visitado pelos tours, o que significa multidões de turistas caminhando sobre as plataformas recém restauradas. Às vezes têm-se a impressão de que todos em Pequim vieram passar o dia aqui. 
A Muralha da China pode ser visitada em diversos trechos próximos a Pequim, como em Badalin, Simantai, Huanghua e Mutianyu. Algumas partes dos muros foram toscamente reconstruídos, enquanto que outros estão em deplorável estado de conservação, mas de qualquer forma não deixa de ser um passeio com vistas impressionantes
Para conseguir um pouco de paz e fotos menos poluídas (de gente), vale a pena caminhar para áreas mais íngremes e isoladas, onde as pernas da maioria não conseguem chegar. Corrimões, piso regular e um carrinho em trilho para ajudar na descida trazem mais reminiscências a um parque de diversões decadente do que uma construção histórica. 
Como chegar: pegue os ônibus turísticos do Beijing Sightseeing Bus Center, 8353-1111, ao sul da praça Tiananmen, próximo ao portão Qianmen. Se optar por visitar as Tumbas Ming junto com Badaling, o bilhete sai por Y140, através da linha A, incluindo transporte, entrada e almoço. O passeio só para a muralha tem saídas entre as 6h30 e 10h, incluindo transporte e entrada. 
A grande Muralha de guarda-chuvas
Simantai 
Um pouco menos disputada que Badaling, essa área possui vários pontos não reconstruídos, mas nos últimos anos a indústria turística pressionou o governo para sua rápida reforma. Seu sobe e desce frenético exige um pouco de preparo físico e pode ser bastante cansativo, não sendo recomendado para quem estiver com crianças ou cadeirantes. Um teleférico ajuda na ascensão à muralha. 
Como chegar: pegue os ônibus turísticos do Beijing Sightseeing Bus Center, 8353-1111, ao sul da praça Tiananmen, próximo ao portão Qianmen. Os serviços da Linha D saem às sextas e sábados, entre 6h30 e 8h30, e o preço do ingresso costuma incluir transporte e entrada. 
Mutianyu 
Localizada a 90 quilômetros da capital, belas vistas e torres de vigia Ming são os grandes atrativos deste trecho. Costumava ser bem menos movimentada, mas ainda assim é um destino bem agradável e vale por sua autenticidade. 
Como chegar: os serviços da Linha A da Beijing Sightseeing Bus Center saem aos domingos e feriados, entre 6h30 e 8h30, e os preços dos ingressos incluem transporte e entrada. 
Huanghua 
Com várias porções da muralha Ming original e próxima a Mutianyu, aqui as fortificações dividem-se em duas próximas a um grande reservatório. Muitos turistas apreciam Huanghua por suas partes íngremes e até mesmo arriscam-se a fazer a travessia até Muntianyu, o que demanda um pernoite e muito diálogo com falsos guias e autoridades. 
Como chegar: o ônibus 961, que parte da rodoviária Dongzhimen, tem quatro partidas diárias. A viagem dura 2 horas de viagem.
Depois de quase 6 mil degraus, fica difícil até apreciar a vista milenar da Muralha da China
INFORMAÇÕES
Horário de funcionamento:
Abre diariamente; em Badalin, das 6h às 22h (verão) e das 7h às 18 (inverno). Em outras localidades o horário varia um pouco, mas é basicamente o seguinte: Simantai (8h/17h); Mutianyu (6h30/18h) e Juyongguan (6h/16h)
A GRANDIOSA MURALHA DA CHINA
foto - ?
HÁ MUITOS LUGARES  PARA VOCÊ CONHECER NESSE NOSSO LINDO PLANETA AZUL. CADA PAÍS TEM SEU LUGAR INCRÍVEL, SUA BELEZA ÚNICA, SEU LUGAR ESPECIAL E ONDE O TURISTA PARA DESFRUTAR DO MELHOR QUE ELE PODE OFERECER. LUGARES QUE DIZEM SER IMPERDÍVEL. MAS IMPERDÍVEL MESMO EH CONHECER DE PERTO A GRANDE MURALHA DA CHINA. VISLUMBRAR-SE COM ALGO IMPRESSIONANTE QUE MOSTRA A CAPACIDADE DO SER HUMANO. DE IR MUITO ALÉM.
foto - ?
A MURALHA DA CHINA, TAMBÉM CONHECIDA COMO A GRANDE MURALHA, É UMA IMPRESSIONANTE ESTRUTURA CONSTRUÍDA DURANTE A CHINA IMPERIAL
foto - ?
A GRANDE MURALHA CONSISTE DE DIVERSAS MURALHAS, CONSTRUÍDAS POR VÁRIAS DINASTIAS AO LONGO DE APROXIMADAMENTE DOIS MILÊNIOS
foto - ?
(COMEÇOU NO ANO 221 A.C COM TERMINO NO SÉCULO XV, DURANTE A DINASTIA MING).
foto - Wikipédia
SE, NO PASSADO, A SUA FUNÇÃO FOI ESSENCIALMENTE DEFENSIVA, NO PRESENTE CONSTITUI UM SÍMBOLO DA CHINA E UMA PROCURADA ATRAÇÃO TURÍSTICA.
foto - Wikipédia
AS SUAS DIFERENTES PARTES DISTRIBUEM-SE ENTRE: O MAR AMARELO (LITORAL NORDESTE DA CHINA), O DESERTO DE GÓBI E, A MONGÓLIA (A NOROESTE).
foto - Wikipédia
NO SÉCULO XX, NA DÉC. DE 80, DENG XIAOPING PRIORIZOU A GRANDE MURALHA COMO SÍMBOLO DA CHINA, ESTIMULANDO UMA GRANDE CAMPANHA DE RESTAURAÇÃO DE DIVERSOS TRECHOS QUE, ENTRETANTO, FOI QUESTIONADA. 
foto - Wikipédia
A REQUALIFICAÇÃO DO MONUMENTO PARA O TURISMO SEM NORMAS PARA O SEU ADEQUADO USUFRUTO, ALIADO À FALTA DE CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA A RESTAURAÇÃO DE ALGUNS TRECHOS (COMO O PRÓXIMO A JIAYUGUAN, NO OESTE DO PAÍS, ONDE FOI EMPREGADO CIMENTO MODERNO SOBRE UMA ESTRUTURA DE PEDRA ARGAMASSADA, CONDUZINDO AO DESABAMENTO DE UMA TORRE DE SEISCENTOS E TRINTA ANOS), GEROU VÁRIAS CRÍTICAS POR PARTE DE PRESERVACIONISTAS, QUE ESTIMAM QUE CERCA DE DOIS TERÇOS DO TOTAL DO MONUMENTO ESTEJAM EM RUÍNAS.
foto - Wikipédia
AS TORRES, CUJO NÚMERO É ESTIMADO POR ALGUNS AUTORES EM CERCA DE QUARENTA MIL, PERMITIAM A OBSERVAÇÃO DA APROXIMAÇÃO E MOVIMENTAÇÃO DE PESSOAS.
foto - Wikipédia
AS SENTINELAS QUE AS GUARNECIAM SERVIAM-SE DE UM SISTEMA DE COMUNICAÇÕES QUE EMPREGAVA BANDEIRAS COLORIDAS, SINAIS DE FUMAÇA E FOGOS.
DE PLANTA QUADRADA, ATINGIAM ATÉ DEZ METROS DE ALTURA, DIVIDIDAS INTERNAMENTE. NO PAVIMENTO INFERIOR PODIAM SER ENCONTRADOS ALOJAMENTOS, ESTÁBULOS PARA OS ANIMAIS E DEPÓSITOS DE SUPRIMENTOS.
foto - Wikipédia
ERAM DOMINADOS POR UMA TORRE DE PLANTA QUADRADA, QUE SE ELEVAVA A ATÉ DOZE METROS DE ALTURA.

fonte / fotos = Thymonthy Becker / viajeaqui.abril.com.br / Divulgação / 




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minas são muitas, Todas são gerais