Pular para o conteúdo principal

CAMAQUÃ / RIO GRANDE DO SUL - Grandes eventos anuais, importantes pontos turísticos históricos e ecológicos, são alguns dos atrativos para que você venha conhecer Camaquã




LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "CAMAQUÃ" / RIO GRANDE DO SUL / BRASIL
foto - ?
SEJA BEM VINDO A CIDADE PÓLO DA REGIÃO CENTRO-SUL. SEJA BEM VINDO A CAMAQUÃ
imagem - Alexa Haas
População estimada 2016 (1) - 66.031
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 1.679,434
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 37,37
Código do Município 4303509
Gentílico - camaquense
ORIGEM DO NOME
Dentre os diversos significados dados ao município de Camaquã o mais adequado segundo o autor Antonio Cândido Silveira Pires é o de rio correntoso ou rio forte. Camaquã vem de Icabaquã e na língua tupi-guarani I significa rio, água e Cabaquã quer dizer velocidade, correnteza. Então podemos concluir que o nome de nosso município vem do rio Camaquã que passa em nossa cidade.
Gentílico: camaquense
HISTÓRICO
Os primeiros sesmeiros que se estabeleceram na região foram: o Sargento-Mor Boaventura José Centeno, o Sr. Antônio Lopes Duro e o Capitão Joaquim Gonçalves da Silva (pai de Bento Gonçalves). A história de Camaquã tem início em 9 de dezembro de 1815, quando foi concedida a licença para a criação da Capela Curada de São João Batista de Camaquã, construída em terreno doado pelo Capitão, considerado fundador do município. Entretanto, o povoamento, não se efetuou, em virtude da falta de água nas proximidades da capela, que pudesse suprir as necessidades da povoação. Esta é a primeira data oficial consolidando a criação de uma comunidade. É, portanto, seu fundador, segundo pesquisas do historiador Luis Alberto Cibilis, o Capitão Joaquim Gonçalves da Silva, doador do primeiro terreno para construção da Capela e o requerente da provisão que a criou.
A região onde atualmente está localizado Camaquã já era conhecida desde os tempos coloniais de 1714. Por volta de 1763 diversos casais açorianos foram descendo para o Sul, localizando-se na margem esquerda do Estuário Guaíba e da margem direita da Laguna dos Patos, fundando fazendas e charqueadas até o rio Camaquã.
O povoamento da região foi despertado pelo interesse religioso e pecuário. A população cresceu com a vinda dos imigrantes: portugueses, franceses, poloneses, alemães, espanhóis, negros e com os já donos desta terra os irmãos indígenas. Constava do extenso território da Freguesia do Triunfo, as sesmarias do Cordeiro, do Duro e do Cristal de propriedade do Capitão Joaquim Gonçalves da Silva, pai de Bento Gonçalves, que ao doar terreno na atual localidade da Capela Velha, 8º distrito requereu autorização para fundar a Capela Curada de São João Batista de Camaquã.
AQUI A CAPELA VELHA
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
imagem - André Bercot
BARRAGEM DO ARROIO DURO
Reservatório artificial de água, cercado por mata nativa e floresta de pinos. Funciona diariamente a partir das 8h. Informações fone: (51) 3671-4433 ramal 46.
O local possui churrasqueiras, amplo espaço de área verde com pracinha de brinquedos e possibilita a pesca sem redes e tarrafas.
imagem - ?
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
ESTE TAMBÉM EH PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
CENTRO DE INTEGRAÇÃO E ASSISTÊNCIA A SAÚDE
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
O CINEMA COLISEU
O antigo cinema Coliseu surgiu em 1914 por iniciativa de José Bukawski e funcionou até a sua morte em 1944. Em 1981 foi adquirido pela Prefeitura Municipal e em 22 de outubro de 1987 foi totalmente restaurado e reinaugurado. Atualmente, com uma capacidade de 220 lugares o Coliseu é palco de peças teatrais, seminários e festivais e o Teatro é cedido para a comunidade para formaturas, seminários, palestras, debates e outras atividades, sendo dirigido pela Secretaria Municipal da Cultura, órgão da Prefeitura Municipal de Camaquã.
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
AQUI NO COMPLEXO ESPORTIVO RUI CASTRO NETTO
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
AQUI DENTRO DO FORTE ZECA NETTO
Sua construção foi iniciada, possivelmente, no ano de 1903 e concluída em 1904, dotada de todo o conforto desejado para a época quando Camaquã deveria contar com menos de 150 prédios. 
Por seu inigualável valor histórico o espaço foi adquirido pela prefeitura em 1991, e no ano seguinte tombado como Patrimônio Público Cultural do Estado do Rio Grande do Sul em 09 de julho de 1992. Em 1996, completamente restaurado o Forte Zeca Netto é entregue à comunidade. Serviu de residência ao legendário General José Antônio Netto – o Zeca Netto.
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
ENTRADA PARA A BARRAGEM DO ARROIO DURO
imagem - Henrique de Borba
CASA DO ARTESÃO
Estrada de acesso à Vila Aurora a 7km da zona urbana a SE
Fundada em 11 de novembro de 1997, a Associação de Artesãos de Camaquã está localizada no Quiosque Municipal da Praça Zeca Netto. A Casa do Artesão oferece trabalhos em madeira, cerâmica, linhas, grampada, macramê, frivoletê, crochê, couro, palha, pinturas em tela, porcelana entre outros.
Horário de atendimento:
De segunda a sexta: das 8h30min às 11h30min e das 13h30min às 17h30min
Sábados e domingos: das 14h às 17h30min
Fone 3692-2356
ESCOLA 7 DE SETEMBRO
imagem - Henrique de Borba
AQUI A FAZENDA DA FIGUEIRA
imagem - Henrique de Borba
FORTE ZECA NETTO. 
AQUI FUNCIONA A BIBLIOTECA PÚBLICA MUNICIPAL, O MUSEU MUNICIPAL DIVINO ALZIRO BECKEL E A SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA.
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
VISTA MAIS AMPLA DO FORTE ZECA NETTO
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
A FRENTE DO FORTE ZECA NETO
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
FUNDOS DA IGREJA MATRIZ DE SÃO JOÃO BATISTA
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
ÁREA RURAL
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
RUA DA CIDADE
imagem - Henrique de Borba
MATRIZ DE SÃO JOÃO BATISTA
Prédio de estilo eclético com elementos neoclássicos. Está localizado frente a Praça Coronel Sylvio Luiz, antes, Quinze de Novembro. A Paróquia de São João Batista chegou aos 150 anos, alicerçada em uma história, que se confunde com a própria origem do município. Ali, onde se encontra a Igreja Matriz, era o coração da cidade. Naquele espaço os principais prédios históricos de Camaquã se entrelaçam, perfazendo o retrato de um passado glorioso. Ali se forjou a virtude de nossa gente sob a égide do padroeiro.
Ela integra o conjunto arquitetônico da Praça Cel. Sylvio Luiz Pereira da Silva, não apenas pelo estilo, senão pelo conjunto, que tem a “cara de Camaquã” do início do século XX.
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
IGREJA DE SANTA TERESINHA NO BAIRRO BOM JARDIM
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
IGREJA DOS TRÉS REIS MAGOS
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
ENTORNO DA CIDADE
imagem - Paulo César Silva
O PIRULITO DA PRAÇA
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
PONTE SOBRE ARROIO DURO
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
AQUI POR CIMA DA PONTE
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
FONTE DA PRAÇA DONÁRIO LOPES
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
AQUI A PRAÇA DONÁRIO LOPES
imagem - Pulsar Imagens
PRAÇA SYLVIO LUIZ
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
PRAÇA ZECA NETTO
imagem - ?
AQUI A SEDE DO GOVERNO MUNICIPAL
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
ROTATÓRIA
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
SINAL DE TRÂNSITO FRANCÊS NA RUA DA IGREJA MATRIZ
imagem - Ubirajara Buddin Cruz
imagem - Theobaldo
imagem - Jean Raubach
ESCOLA ESTADUAL
imagem - Henrique de Borba
CLUBE CAMAQUENSE
imagem - Fernando Lima
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO


fonte / fotos - IBGE / Thymonthy Becker / Divulgação / Portal da Prefeitura Municipal / 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIANÓPOLIS / TOCANTINS - Berço cultural do estado, tem mais à oferecer, cascatas, cachoeiras, museu e "garganta"; platô da serra geral com cânions e mirantes

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "DIANÓPOLIS" / TOCANTINS / BRASIL DIANÓPOLIS
BEM VINDO A CIDADE DE DIANÓPOLIS. CIDADE DO DIANOFOLIA
imagem - ? População estimada 2016 (1) - 21.457
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 3.217,313
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 5,94
Código do Município 1707009
Gentílico - dianopolino
ORIGEM DO NOME DE DIANÓPOLIS, TO
A origem do nome "Dianópolis" está relacionada a Francisco das Chagas Moura, que foi prefeito do município entre os anos de 1934 a 1938. Então, a cidade chamava-se "São José do Du•ro". "Duro" era uma simplificação de "D´ouro", uma vez que a região era rica em ouro em seu subsolo. Quando prefeito, Francisco Moura indicou que a cidade fizesse uma homenagem às senhoras do lugar que chamavam-se "Custodiana", conhecidas pela alcunha de "Diana". Daí a indicação da cidade passar a chamar-se "Dianópolis", quer dizer, "Terra das Dianas".
Gentílico: …

CATAGUASES / MINAS GERAIS - Venha ver e fazer filmes nesta cidade cinematográfica. Deixe saudades e leve lembranças

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "CATAGUASES" / MINAS GERAIS / BRASIL “O nome Cataguases vem – pelo menos, até provas em contrário, pois muitas são as controvérsias nessa cidade em constante questionamento – , pois é, o nome Cataguases parece que vem de uma tribo de índios que habitava a região, os ‘Catu-auás’. Dizem que o nome catu-auá significa em tupi-guarani ‘terra de gente boa’. E Cataguases sabe receber muito bem. Quem bebe da água do Rio Pomba nunca deixa de voltar. Dizem. ” Confira alguns dos mais importantes pontos turísticos de Cataguases. Além de inúmeras obras artísticas e arquitetônicas modernas tombadas pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), Cataguases também oferece inúmeras construções marcantes do final do século XIX, belíssimas paisagens naturais, museus, centros culturais e muito mais! PONTE METÁLICA (DE 1.914) A construção da Ponte Metálica foi determinada em 1910, devido à solicitação do deputado federal Astolpho Dutra Nicácio. Ela…

BRAGANÇA / PARÁ - A cidade respira Fé, Tradição e Cultura, nas belezas de suas praias, manguezais, rios, igarapés e ilhas

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "BRAGANÇA" / PARÁ / BRASIL  Bragança, localizada na região nordeste do Pará, a 210 quilômetros de Belém, capital do Estado, é um dos municípios mais procurados pelos turistas ao longo do ano, em especial durante as férias escolares.
Lar da Marujada, manifestação cultural que reúne milhares de pessoas no município para festejar São Benedito, Bragança tem praias oceânicas belíssimas, pra quem quiser aproveitar em qualquer época do ano.

A cidade, de origem portuguesa, guarda na sua cultura características religiosas marcantes e também festeja São Sebastião e Nossa Senhora de Nazaré.
Suas fronteiras são estratégicas. Assim, o município oferece o maior número de opções aos turistas: ao Norte está o oceano Atlântico, ao Sul, o município de Santa Luzia do Pará, a Leste os municípios de Augusto Corrêa e Vizeu e a Oeste, Tracuateua.

Na língua tupi, Caeté quer dizer 'mato grande' e, por estar localizada à margem esquerda do rio Caeté, Bragança é c…