sábado, 8 de outubro de 2016

CASTELO DE PILLNITZ / DRESDEN / ALEMANHA - Reunindo arquitetura, museu e jardinagem, inserido na paisagem pitoresca da região do Elba




LINHA DO TEMPO DO "CASTELO DE PILLNITZ" / DRESDEN / ALEMANHA
A residência de verão da casa real da Saxônia é um conjunto pouco usual que reúne arquitetura e jardinagem, inserido na paisagem pitoresca da região do Elba. Sob a influência da moda do Extremo Oriente, foram construídos, no começo do século XVIII, palácios à beira da água e nas montanhas. A principal atração do vasto parque, que foi criado segundo as mais estritas formas do barroco, mas também como jardim paisagístico inglês, é uma camélia com mais de 200 anos. No castelo encontram-se o museu de tapeçaria e o museu do castelo no Novo Palácio.
O PEQUENO CASTELO DE PILLNITZ, QUE HOJE PERTENCE À CIDADE DE DRESDEN, NA ALEMANHA, IMPRESSIONA PELO CONJUNTO FORMADO PELA SUA LOCALIZAÇÃO ROMÂNTICA ENTRE O ELBA E OS VINHEDOS, UM PARQUE IDÍLICO E TRÊS EDIFICAÇÕES DE EXTREMA ORIGINALIDADE.
EM PILLNITZ, UM VILAREJO DA SAXÔNIA QUE É HOJE UM BAIRRO DE DRESDEN, O CASTELO E O PARQUE DE PILLNITZ FICAM DIRETAMENTE JUNTO AO ELBA.
NO FINAL DO SÉCULO XVII, A PROPRIEDADE DE PILLNITZ FOI DADA AO PRÍNCIPE JOHANN GEORG IV EM TROCA DO CASTELO DE LICHTENWALD.
APÓS A SÚBITA MORTE DO PRÍNCIPE, PILLNITZ FOI HERDADO POR SEU IRMÃO, FREDERICO AUGUSTO, QUE O PRESENTEOU À SUA AMANTE, ANNA CONSTANTINA VON COSEL, EM 1706. EM 1716, A CONDESSA DE COSEL CAIU EM DESGRAÇA E FOI BANIDA DA CORTE, DEIXANDO PILLNITZ NOVAMENTE EM POSSE DO PRÍNCIPE.
NO LADO VOLTADO PARA O LADO SUPERIOR DO PARQUE, ESSE PALÁCIO À BEIRA DAS ÁGUAS É COMPLEMENTADO POR SEU IRMÃO, O "BERGPALAIS", OU "PALÁCIO DA MONTANHA".
OS DOIS PALÁCIOS FORAM CONSTRUÍDOS EM UM MISTO DE BARROCO TARDIO E "CHINOISERIE", ESTIO INFLUENCIADO PELA ARTE CHINESA. OS DOIS PALÁCIOS COM CHARME ASIÁTICO FLANQUEIAM O NOVO PALÁCIO, CONSTRUÍDO PELO ARQUITETO CHRISTIAN FRIEDRICH SCHURICHT.






fonte / fotos - Wikipédia / Thymonthy Becker / viajeaqui.abril.com.br / Divulgação / 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minas são muitas, Todas são gerais