Pular para o conteúdo principal

KRAK DOS CAVALEIROS / HOMS / SÍRIA - O castelo de sonhos mais admirável do mundo" eh um patrimônio mundial da UNESCO




LINHA DO TEMPO DO "KRAK DES CHEVALIERS" HOMS / SÍRIA / WORLD

Eles não tinham o romantismo de um Don Quixote de la Mancha, tampouco a nobreza dos medievais Cavaleiros da Távola Redonda. Não eram guerreiros que protegiam seus senhores, mas tão bravos e guerreiros quanto quaisquer outros. Eram os cavaleiros sem moinhos, das Cruzadas, militares, comandados por religiosos cristãos, europeus, ocidentais sob as ordens supremas do Papa. Seus objetivos eram apenas religiosos: recuperar do controle muçulmano a cidade de Jerusalém, assim como outros lugares de peregrinação situados na Palestina - o então território conhecido pelos cristãos como Terra Santa. Nada mais, nada menos do que mais uma guerra religiosa, desta vez contra povos pagãos, hereges cristãos, os inimigos políticos do Papado.
HOMS 
Eh uma cidade industrial no centro da Síria e próximo a ela fica o Crac dos Cavaleiros (em árabe, Qala'at al-Hosn), um impressionante castelo-fortaleza da época dos cruzados, uma das principais atrações turísticas da Síria, a 65 quilômetros de Damasco, perto da fronteira com o Líbano. Os franceses o chamavam de "Krak des Chevaliers" expressão que designa um tipo de fortificação característica dos Séculos XII e XIII para promover a defesa dos "Reinos Latinos do Oriente" (*). Alguns exemplos principais eram o Krak dos Cavaleiros – para a defesa do limite Nordeste do Condado de Tripoli, o Krak de Montreal, em al-Chawbak - que defendia o limite Sudeste do Reino de Jerusalém - e o Krak de Moab, em al-Karak, também no Reino de Jerusalém.

PAUL Theroux o descreveu como o melhor exemplo de um “castelo de sonhos” do imaginário infantil. E para T. E. Lawrence ("Lawrence da Arábia"), o Krak dos Cavaleiros era "o castelo mais admirável do mundo".
Ainda que sem ser exatamente um símbolo romântico do feudalismo, o Krak des Chevaliers - erguido sobre um esporão rochoso do deserto sírio - tem forma e função mais que perfeitas, ou seja, a defesa contra cercos, o alojamento de tropas e guarda de arsenal. O fato é que o castelo foi uma das maiores fortalezas dos Cruzados na Terra Santa e uma das mais importantes construções militares da antiguidade. É um dos mais bem preservados exemplares da arquitetura militar da Idade Média na região, é classificado pela UNESCO como Patrimônio Mundial desde 2006.

Seu desenho original tinha apenas uma muralha, mas o castelo foi reforçado na segunda metade do século 12, quando a ele foi adicionada uma segunda. A primeira muralha ao redor do castelo cerca um segundo anel de muralhas e torres construídos em volta da prédio central. 

A planta, de forma concêntrica, proporcionava aos cavaleiros ampla defesa do perímetro externo contra ataques de muçulmanos, assim como proporcionava dupla proteção, pois se fosse invadida a primeira muralha seria possível recuar em direção ao centro do forte contando com a proteção da segunda. Como as muralhas internas eram mais altas do que as externas, os defensores sempre conseguiriam dominar seus inimigos num plano mais alto.

O castelo tem duas partes: um paredão externo com 13 torres e um interno, ambos, evidentemente, para impedirem a entrada de invasores. Ambos os paredões são separados por um fosso cuja água era usada para dar de beber e banhar os cavalos. Era água limpa, agora estagnada. Através da entrada principal um imponente portão na parede de 5 metros de espessura dá entrada ao castelo e ao seu primeiro pátio interno. Um corredor coberto por delicados trabalhos de entalhe em pedra leva a um Hall com abóbodas onde podem ser vistas as antigas latrinas. A Capela foi convertida em mesquita após a tomada do castelo pelo Sultão Beybar, e onde é possível ver o púlpito original. No último pavimento está a Torre da Filha do Rei, de onde se tem uma belíssima vista.
Fossos, ponte levadiça, vãos para jogar óleo fervente, seteiras para bombardear com pedras e uma passagem com quatro portões e uma grade de ferro que vinha do teto e que fechavam completamente a passagem ao castelo eram os principais elementos construtivos a dificultarem os assaltos. Uma série de ziguezagues fazia com que os invasores se movimentassem devagar, ao passo que aberturas elevadas estratégicas permitiam que os cavaleiros banhassem seus inimigos com flechas, pedras e madeira queimando.

A primitiva fortificação foi mandada construir pelo emir de Alepo, e foi conquistada por Raimundo IV de Tolosa em 1099 durante a Primeira Cruzada, mas veio a ser abandonada quando os cruzados seguiram o seu caminho até Jerusalém. O local foi reocupado por Tancredo, príncipe da Galileia em 1110, e Raimundo II, Conde de Trípoli, cedeu-o aos cavaleiros da Ordem dos Hospitalários em 1142. Durante o século e meio que se seguiu os Hospitalários construíram uma imponente fortaleza - a maior da Terra Santa - que resistiu a pelo menos doze assaltos muçulmanos, até ter sido conquistada pelos mamelucos do sultanato do Egito, pelas forças do sultão Baibars em 8 de abril de 1271.
KRAK DOS CAVALEIROS
foto - ?
Tombado como Patrimônio Mundial pela UNESCO, o imponente castelo medieval representa o que de melhor foi criado na era dos castelos, desdobrando-se como um dos mais belos e bem protegidos. Durante as Cruzadas, sediou a Ordem religiosa dos Hospitalários e se tornou símbolo de resistência cristã na Terra Santa.
foto - ?
Sua construção parece ter sido um projeto sem-fim. Os Hospitalários receberam uma primitiva construção em 1141 e teriam feito ao menos duas grandes obras que só findaram em meados do século XIII. Na década de 1930, abandonado e quase em ruínas, passou por grande reforma para lhe trazer de volta sua antiga glória. Em 2008 foi tombado como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.
foto - ?
A surpreendente construção foi um formidável centro de defesa e controle regional para os cruzados. Construído no alto de um monte no sul da atual Síria, serviu aos propósitos das Cruzadas nos séculos XII e XIII. Estrategicamente posicionado no flanco do antigo Reino Jerusalém, foi um dos grandes responsáveis pela sustentação cristã na “Terra Santa”.
foto - ?
O KRAK DOS CAVALEIROS (EM LÍNGUA FRANCESA, "KRAK DES CHEVALIERS"; DESIGNADO PELOS MUÇULMANOS COMO "QALAJAT AL-HUSN") LOCALIZA-SE NA ATUAL SÍRIA, 65 QUILÔMETROS A OESTE DA CIDADE DE HOMS, PERTO DA FRONTEIRA DO LÍBANO.
A EXPRESSÃO "KRAK" OU "KARAK" DESIGNA UM TIPO DE FORTIFICAÇÃO ERGUIDA NO SÉCULO XII E NO SÉCULO XIII PELAS CRUZADAS, NAS REGIÕES DAS ATUAIS SÍRIA E PALESTINA, PARA ASSEGURAR A DEFESA DOS CHAMADOS "REINOS LATINOS DO ORIENTE". OS PRINCIPAIS ERAM O KRAK DOS CAVALEIROS, QUE DEFENDIA O LIMITE NORDESTE DO CONDADO DE TRIPOLI, O KRAK DE MONTREAL, EM AL-CHAWBAK, DEFENDENDO O LIMITE SUDESTE DO REINO DE JERUSALÉM, E O KRAK DE MOAB, EM AL-KARAK, TAMBÉM NO REINO DE JERUSALÉM.
O KRAK DOS CAVALEIROS FOI ERGUIDO SOBRE UM ESPORÃO ROCHOSO DO DESERTO SÍRIO COM A FUNÇÃO DE PROTEGER A ROTA QUE UNIA A CIDADE SÍRIA DE HOMS (SOB DOMÍNIO MUÇULMANO) À DE TRÍPOLI (LÍBANO), CAPITAL DO CONDADO DE TRÍPOLI, NA COSTA DO MAR MEDITERRÂNEO.
ATUALMENTE É UMA DOS MAIS BEM PRESERVADOS EXEMPLARES DA ARQUITETURA MILITAR DA IDADE MÉDIA NA REGIÃO, ESTANDO CLASSIFICADO PELA UNESCO COMO PATRIMÔNIO MUNDIAL DESDE 2008.
O CASTELO FOI ERGUIDO EM DUAS ETAPAS. NA PRIMEIRA, FORAM LEVANTADAS AS MURALHAS EXTERIORES E UM NÚCLEO INTERNO, COMPOSTO POR PEQUENAS EDIFICAÇÕES DE PLANTA QUADRADA, DE MODO QUE, EM 1170, AS OBRAS ESTAVAM CONCLUÍDAS. EM 1202, UM TERREMOTO AFETOU PARTE DO CONJUNTO, DE MANEIRA QUE, POUCO TEMPO DEPOIS, INICIOU-SE UMA GRANDE REESTRUTURAÇÃO DAS DEFESAS, CONFERINDO-LHE A ATUAL FEIÇÃO: UMA MURALHA EXTERIOR DE TRINTA METROS DE LARGURA, AMPARADA POR SETE TORRES COM 8 A 10 METROS DE LARGURA, DEFININDO UMA FORTIFICAÇÃO CONCÊNTRICA. AS ESCARPAS DO ESPORÃO FORAM APROVEITADAS COM FINS TÁTICOS.
NOS DIAS DE HOJE
EM NOSSOS DIAS, O CASTELO ENCONTRA-SE PRESERVADO EM BOAS CONDIÇÕES, SENDO CONSIDERADO UM DOS MAIS BELOS EXEMPLOS DE ARQUITETURA MILITAR EUROPÉIA NA REGIÃO. PERTENCE AO GOVERNO SÍRIO, QUE O MANTÉM ABERTO COMO ATRAÇÃO TURÍSTICA. ENTRE OS DESTAQUES ENCONTRAM-SE A DUPLA CINTURA DE MURALHAS QUE ENVOLVE OS EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO, UMA CAPELA EM ESTILO ROMÂNICO, UMA GRANDE SALA E UMA GALERIA EM ESTILO GÓTICO QUE DATA DO SÉCULO XIII.

fonte e fotos = Wikipédia / Thymonthy Becker / interata.squarespace.com / Divulgação / 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIANÓPOLIS / TOCANTINS - Berço cultural do estado, tem mais à oferecer, cascatas, cachoeiras, museu e "garganta"; platô da serra geral com cânions e mirantes

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "DIANÓPOLIS" / TOCANTINS / BRASIL DIANÓPOLIS
BEM VINDO A CIDADE DE DIANÓPOLIS. CIDADE DO DIANOFOLIA
imagem - ? População estimada 2016 (1) - 21.457
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 3.217,313
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 5,94
Código do Município 1707009
Gentílico - dianopolino
ORIGEM DO NOME DE DIANÓPOLIS, TO
A origem do nome "Dianópolis" está relacionada a Francisco das Chagas Moura, que foi prefeito do município entre os anos de 1934 a 1938. Então, a cidade chamava-se "São José do Du•ro". "Duro" era uma simplificação de "D´ouro", uma vez que a região era rica em ouro em seu subsolo. Quando prefeito, Francisco Moura indicou que a cidade fizesse uma homenagem às senhoras do lugar que chamavam-se "Custodiana", conhecidas pela alcunha de "Diana". Daí a indicação da cidade passar a chamar-se "Dianópolis", quer dizer, "Terra das Dianas".
Gentílico: …

MANHUAÇU / MINAS GERAIS - Rodeada por belezas naturais como o Pico da bandeira, belíssimas paisagens como as plantações de café, além de construções centenárias

LINHA DO TEMPO DE "MANHUAÇU" / MINAS GERAIS / BRASIL
Situada na zona da mata de Minas Gerais, Manhuaçu é o maior e mais desenvolvido município da região. Sua localização estratégica possui acesso a diversas rodovias estaduais e federais, estando rodeada por belezas naturais que você não pode deixar de conhecer. Manhuaçu também se destaca pela economia, que gira principalmente na produção de café. A produção regional é a maior do Brasil, sendo produtos de consumo nacional e internacional. Existem muitas fazendas de café na região, que além do impulso econômico, proporcionam uma belíssima paisagem.  Cafezal com pés carregado de café foto - ? Alguns dos maiores atrativos da cidade estão no Ecoturismo. Os principais pontos são a Pedra Furada, reservas Monte Alverne, Sítio Graciema e Mata do Sossego e os balneários Recanto no Paraíso e Cachoeira Sette. A cidade também é rica em patrimônio histórico. A Igreja Matriz São Lourenço, localizada no Centro, é o principal ponto da cidade, co…

CATAGUASES / MINAS GERAIS - Venha ver e fazer filmes nesta cidade cinematográfica. Deixe saudades e leve lembranças

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "CATAGUASES" / MINAS GERAIS / BRASIL “O nome Cataguases vem – pelo menos, até provas em contrário, pois muitas são as controvérsias nessa cidade em constante questionamento – , pois é, o nome Cataguases parece que vem de uma tribo de índios que habitava a região, os ‘Catu-auás’. Dizem que o nome catu-auá significa em tupi-guarani ‘terra de gente boa’. E Cataguases sabe receber muito bem. Quem bebe da água do Rio Pomba nunca deixa de voltar. Dizem. ” Confira alguns dos mais importantes pontos turísticos de Cataguases. Além de inúmeras obras artísticas e arquitetônicas modernas tombadas pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), Cataguases também oferece inúmeras construções marcantes do final do século XIX, belíssimas paisagens naturais, museus, centros culturais e muito mais! PONTE METÁLICA (DE 1.914) A construção da Ponte Metálica foi determinada em 1910, devido à solicitação do deputado federal Astolpho Dutra Nicácio. Ela…