Pular para o conteúdo principal

MENDOZA / ARGENTINA / WORLD - Com 1.200 vinícolas num cenário da montanha mais alta do continente, Mendoza reúne em um mesmo destino vinho e neve




LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "MENDOZA" / ARGENTINA / WORLD
Uvas como Malbec, Cabernet Sauvignon, Tempranillo e Chardonnay tornaram os produtos de Mendoza bem apreciados mundo afora
Com 6.962 metros, o Aconcágua, conhecido como “teto das Américas”, é o ponto mais alto do continente e do hemisfério ocidental. Montanhistas do mundo todo buscam seu topo nevado
Com 1.200 vinícolas – caseiras ou pertencentes a multinacionais –, e cenário da montanha mais alta do continente, Mendoza reúne em um mesmo destino vinho e neve, dois dos assuntos prediletos dos brasileiros que buscam a Argentina para curtir as férias.
Autointitulada Terra do Sol e do Bom Vinho, a região é o centro viticultor mais importante da América do Sul, responsável pela produção de dez milhões de hectolitros anuais.
Muitas das charmosas bodegas de Mendoza recebem visitantes em instalações no Valle Central – setor que compreende os municípios de Godoy Cruz, Guaymallén, Maipú e Luján de Cuyo –, incluindo degustações
As corredeiras revoltas do Rio Mendoza, originadas do degelo dos Andes, são ideais para o rafting
Alcançar o topo nevado da montanha é para poucos, mas em terra firme, no Parque Provincial Aconcagua, é possível avistar o “Sentinela de Pedra”
Muitas de suas charmosas bodegas recebem visitantes em instalações no Valle Central – setor que compreende os municípios de Godoy Cruz, Guaymallén, Maipú e Luján de Cuyo –, incluindo degustações. Graças à combinação de clima seco e excelente qualidade do solo é que castas de uvas como Malbec, Cabernet Sauvignon, Tempranillo e Chardonnay tornaram os produtos locais tão apreciados mundo afora.
Outro símbolo de Mendoza é o Cerro Aconcágua, a maior montanha do planeta fora da Ásia, cujos títulos como Sentinela de Pedra e Teto das Américas fazem jus aos seus imponentes 6.962 metros de altura. Conquistar seu cume é para poucos, mas apreciá-lo a partir do Parque Provincial Aconcágua, em terreno bem firme, já é suficiente para deslumbrar os visitantes
O Lago Potrerillos está localizado a 79 km de Mendoza, nas proximidades da Cordilheira dos Andes. São 14 km de uma impressionante beleza
A área do Parque Provincial Aconcagua guarda um dos recursos mais valiosos do planeta, a água doce, encontrada nas geleiras
HISTÓRICO
Mendoza é a capital e a maior cidade da província de Mendoza, na Argentina. Localiza-se no oeste do país, nas bordas da Cordilheira dos Andes, sendo um importante pólo de produção de vinho e azeite, além de ser dos mais importantes pontos turísticos da Argentina.
A base da cidade atual surgiu de um ordenamento realizado em 1863 pelo agrimensor francês Ballofet e que inclui a disposição estratégica de várias praças. A atividade econômica está fortemente vinculada à indústria de elaboração de vinhos, alimentos, e outras bebidas e, também, com o refinamento de petróleo. Além disso, o setor de turismo se destaca bastante.
Segundo o censo de 2010, a cidade tem 114.822 habitantes, o que representa uma baixa demografia em relação aos 121.620 habitantes do censo de 1991. Este estancamento é produto da inexistência de lugares que permitam o crescimento da população, ao que se soma uma tendência geral da população a abandonar o centro, o qual é ocupado por oficinas e comércios.
ATRAÇÕES
Vinícolas como a Bodega Ruca Malen, a Bodega La Azul, a Bodega Catena Zapata e a Casarena Bodegas y Viñedos promovem visitas guiadas pelos parreirais e degustações. Durante o passeio, é possível adquirir os produtos das marcas e almoçar no local. 
O Parque General San Martín é outro ponto alto da cidade, com uma vegetação abundante e belos cenários. Por toda a região, é possível fazer passeios de bicicleta.
É possível percorrer os arredores de Mendoza, que fica aos pés da Cordilheira dos Andes, em cavalgadas como os típicos “gaúchos”
A Cerro Aconcágua é considerada a maior montanha do planeta fora da Ásia, cujos títulos como Sentinela de Pedra e Teto das Américas fazem jus aos seus imponentes 6.962 metros de altura
COMO CHEGAR
Desde julho de 2015, a GOL realiza vôos diretos do aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, para Mendoza. Os aviões partem às quartas e sábados, e o voo tem duração média de três horas. 
O Aeroporto Internacional Francisco Gabrielli fica a cerca de dez quilômetros do Centro. Os ônibus da linha 60 fazem a rota, e também há táxis disponíveis.
As estradas são boas, e uma bela pedida é fazer o percurso a partir da capital argentina de carro, pela Ruta 7, num trajeto de 1.049 quilômetros. O caminho mais bonito, porém, é a partir de Santiago, no Chile, cruzando a Cordilheira dos Andes. São 360 quilômetros, feitos numa média de seis horas.
As vinícolas abrem suas portas para visitas guiadas. Além de conhecer as adegas, onde o vinho descansa por meses em enormes tonéis, dá para degustar os diferentes tipos da bebida
Com 50 mil árvores e 750 espécies de plantas, o Parque General San Martín abriga um zoológico sem jaulas e o Cerro La Gloria, principal mirante da cidade
Mendoza produz quase 80% da produção de vinho da Argentina. A colheita da uva é celebrada com música e desfiles na Festa Nacional da Vindima, em março
Para desbravar o Centro, o melhor é caminhar, contando com táxis para vencer as distâncias maiores. Já para visitar as vinícolas é necessário estar motorizado.
Pouco a pouco, os brasileiros estão ampliando seus horizontes dentro da América do Sul e deixando um pouco de lado a Europa e o Estados Unidos. 
Depois de cair nas graças de Buenos Aires, está na hora de descobrir todas as maravilhas de Mendoza, na Argentina, região conhecida por vinhedos e belíssimas paisagens com direito a neve.


Aos pés dos Andes, a cidade é rodeada de 1.200 vinícolas que produzem cerca de 70% do vinho argentino. Entre os destaques está a chance de se hospedar nestas propriedades, como no Cavas Wine Lodge, onde os chalés ficam entre os parreirais e o spa oferece tratamentos de vinoterapia. Quem quiser participar da famosa e espetaculosa festa da colheita das uvas, a Vendimia, precisa agendar a viagem entre fevereiro e abril. 
Outro ponto alto do destino são as águas termais, ideais para quem quer voltar de viagem renovado e relaxado.

A região possui várias estações hidrotermais, mas as maiores são Parque Termal Cacheuta, Termas del Challao e Complejo Termal Los Molles. O visual dos entornos é um espetáculo a parte. Não deixe de explorar Guaymallén. 
Para apreciar ainda mais a natureza, visite o Parque General San Martín, que é um dos mais importantes do país, repleto de esculturas e mais de 300 espécies botânicas. Esportes de aventura como trekking, rafting e canoagem. 
Na hora da fome, os mais abastados recorrem ao 1884, casa do chef Francis Mallmann que está entre os melhores restaurantes dentro de vinícolas do mundo. 
Aproveite porque tem voos a partir de R$ 580 ao longo de 2016. Com R$ 1.500 dá para viajar por cinco dias tranquilamente, incluindo passagens, hospedagem, alimentação, transporte e passeios

As vinícolas de Mendoza são a grande atração da cidade: há diversos lugares para passear pelos parreirais e degustar os bons vinhos argentinos. A cidade é a principal região vitivinícola do país

O QUE FAZER EM MENDOZA, ARGENTINA
PASSEIO PELA RUTA 40
El Calafate é uma das extremidades de uma impressionante viagem de 1.500 quilômetros cuja outra ponta está em Bariloche. O principal atrativo dessa longa e compensadora jornada é a própria Patagônia, que se exibe do lado de fora de um ônibus turístico que se aventura por essa legendária (e pedregosa) estrada argentina conhecida como Ruta 40. Criada pelo governo para promover o isolado lado oeste do país, essa via possui 5 mil quilômetros de extensão, vai até a fronteira com a Bolívia e é considerada a estrada mais longa da Argentina. Atrações como as Cuevas de las Manos e o pitoresco povoado El Chaltén, conhecido como a Capital Nacional do Trekking também estão no roteiro dessa viagem que acontece entre novembro e a Semana Santa. Mais informações na Chaltén Travel (2902/ 492212, www.chaltentravel.com)
PASSEIO PELAS VINÍCOLAS DE MENDOZA
Não tem como negar. De cada dez turistas que visitam Mendoza, dez estão interessados em seu principal produto: o vinho. A região abriga a impressionante marca de 1.200 vinícolas, porém pouco mais de 100 recebem visitantes forasteiros com tours organizados que passam pelas instalações onde são produzidos as bebidas e pelas lojinhas de suvenires. O centro vinícola mais importante da América do Sul abriga empresas que oferecem passeios completos que incluem também degustações e até bucólicos almoços diante de imensos parreirais. Não deixe de visitar a Norton (www.norton.com.ar), em cujos programas especiais constam aulas de dança folclórica e safáris fotográficos; Ruca Malén (www.bodegarucamalen.com), vinícola butique que se destaca pelo almoço de cinco pratos harmonizados com vinhos da casa; e a Nieto Senetiner (www.nietosenetiner.com.ar), empresa de 1888 que abriga também uma fazenda que serve de hospedagem. A empresa de ônibus Andesmar (www.andesmar.com) conta com serviço de tour às principais vinícolas da região.

TOUR DE ALTA MONTANHA
O nome até soa imponente e aventureiro, mas esse é o tour indicado para quem não tem nenhuma prática (muito menos habilidade) em escaladas ou longas caminhadas. O passeio tem duração de um dia inteiro e paradas estratégicas em pontos clássicos da região como o Dique Potrerillos, cujo reservatório abastece a árida região; o Parque Provincial Aconcagua, onde o visitante tem uma pequena mostra do monte conhecido como Teto das Américas; e o Cristo Redentor, monumento localizado a 4.200 metros de altitude, na fronteira com o Chile, marcando a fraternidade entre os dois países. No caminho encontra-se o pequeno povoado de Las Cuevas, com apenas doze habitantes e muitas casas desabitadas, e a Puente del Inca, uma curiosa formação geológica declarada Monumento Natural.
RUÍNAS DE SÃO FRANCISCO
Esse é a única mostra do que sobrou da antiga cidade de Mendoza após o devastador terremoto de 1861. Declarado Monumento Histórico Nacional, o local guarda as ruínas de um antigo templo jesuítico do século 18.
PASSEIO PELAS PRAÇAS DE MENDOZA
Erguidas como refúgio da população em caso de terremotos na região, as praças de Mendoza são um símbolo da cidade e agradáveis áreas de lazer. A principal, centro de outras quatro praças satélites, é a Plaza Independencia, cujas atrações incluem um museu de arte moderna, um teatro e bancos para descanso. Nas quatro extremidades, as praças Chile, Italia, San Martín e España completam o circuito verde do centro da cidade.
Praza Independencia em Mendoza, Argentina
PARQUE GENERAL SAN MARTÍN
Uma das áreas verdes mais importantes de toda a Argentina, o parque de 400 hectares inaugurado em 1896 é um dos destaques da cidade. Suas alamedas arborizadas, decoradas também com 34 esculturas, abrigam mais de 300 espécies de diversos países do mundo e ficam lotadas nos finais de semana. Uma das atrações é o zoológico centenário, inaugurado em 1904. Localizado em uma área de 40 hectares, ele possui mais de mil animais entre aves, felinos e espécies dos Andes, como lhamas, vicunhas e alpacas. Do Cerro de Gloria, tem-se excelente vista da região.
MUSEO DEL ÁREA FUNDACIONAL 
Esse museu guarda um pouco da história do setor colonial da cidade. Localizado no interior do antigo edifício do Cabildo, uma espécie de prefeitura local, o acervo é formado por objetos e partes das construções locais, como exemplares de muros e ladrilhos encontrados após o terremoto que devastou Mendoza em 1861. O local abriga também os restos de um matadouro e de uma feira que funcionaram no local.

HOTEL CAVAS WINE LODGE 
Calle Costa Flores, s/n 
+54 (261) 410-9127 
www.cavaswinelodge.com 
Possui 14 casinhas de hóspedes, aonde se chega caminhando pelos vinhedos, todas com pátio privativo, piscina e vista para os Andes. Pertence à rede Relais & Châteaux.


INFORMAÇÕES AO VIAJANTE
Línguas: Espanhol
Moeda: Peso argentino
Como ligar para o Brasil: 0800-9995500
Visto: Não é necessário.
Saúde: Para entrar na Argentina, nenhuma vacina é obrigatória.
Embaixada oficial no Brasil:
SHIS, QL 2, conjunto 1, casa 19, Brasília (DF)
(61) 3364-7600
http://www.brasil.embajada-argentina.gov.ar
Melhor época para visitar
Viajar para Mendoza no inverno tem a vantagem de poder combinar visitas a vinícolas e diversão nas estações de esqui (Las Leñas, por exemplo). As flores que colorem o cenário são os atrativos da primavera, de setembro a novembro.
ESTA EH A BANDEIRA DA PROVÍNCIA DE MENDOZA, ARGENTINA


fonte / fotos : quantocustaviajar.com / Thymonthy Becker / viajeaqui.abril.com.br / Divulgação / 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIVINÓPOLIS / MINAS GERAIS - COMO A CIDADE COMEÇOU - CEM ANOS ATRÁS NASCIA A CIDADE QUE SERIA REFERÊNCIA EM QUALIDADE DE VIDA E EDUCAÇÃO, NAS MINAS GERAIS

DIVINÓPOLIS / MINAS GERAIS / BRASIL - 100 ANOS ATRÁS foto - Thymonthy Becker AQUI PODEMOS VER O CENTRO DA CIDADE, COM O SANTUÁRIO, O COLÉGIO DOS PADRES E ABAIXO A PONTE QUE LIGA O CENTRO AO BAIRRO PORTO VELHO. foto - Colombo
NESTA PÁGINA, IREMOS MOSTRAR COMO DIVINÓPOLIS COMEÇOU. ALGUMAS FOTOS SÃO RARAS. E POSSUEM MAIS DE CEM ANOS. ESTE FOI O SEGUNDO LOCAL ONDE FUNCIONOU A CÂMARA MUNICIPAL. AQUI NA RUA SÃO PAULO. foto - ?
AQUI  ANTIGA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA. HOJE EH O HOTEL DAS VOVÓS. foto - ?
ESTA EH A RUA SÃO PAULO. REPARE QUE OS POSTES DE LUZ FICAVAM NO MEIO DA RUA. foto - ?
AQUI A MESMA RUA SÃO PAULO, ENTRE ANTÔNIO OLÍMPIO DE MORAIS (ANTIGA AVENIDA DA INDEPENDÊNCIA) E AVENIDA VINTE E HUM DE ABRIL. foto - ?
ESTE VÍDEO FOI FEITO QUANDO DIVINÓPOLIS TINHA 20.000 HABITANTES, HOJE TEM 225.000. QUANDO DA INAUGURAÇÃO DA PONTE CENTRO/PORTO VELHO.
AQUI A AVENIDA PRIMEIRO DE JUNHO ESQUINA COM RUA SÃO PAULO. REPARE AS BOMBAS DO POSTO DE COMBUSTÍVEL. foto - ?
O PRIMEIRO PRÉDIO DA CIDADE. EDIFÍCIO HERCÍLIO. …

IPUIUNA / MG - CAPITAL NACIONAL DA BATATA

BEM VINDO A CIDADE DE IPUIUNA. A CAPITAL NACIONAL DA BATATA foto - Thymonthy Becker Comunicação IPUIÚNA TEM 9.521 HABITANTES - IBGE 2010 - QUEM NASCE EM IPUIÚNA EH: IPUIUNENSE A CIDADE FAZ ANIVERSÁRIO EM 12 DE DEZEMBRO E FOI EMANCIPADA EM 1.953 ORIGEM DO NOME Ipuiuna, palavra de origem indígena, que  significa “olho de águas turvas” ou “olho de águas escuras”, uma referência a nascente do Rio Pardo que está no município. HISTÓRIA Presume-se que os seus primeiros habitantes tenham sido pessoas que já habitavam povoados vizinhos, como Caldas-MG e Santa Rita de Caldas-MG. É sabido que em 20 de janeiro de 1891, José Francisco Lopes e João Bernardes de Souza fizeram doação de 10 alqueires de terras para formação de um povoado que teria o nome de Santa Quitéria e São João Batista. Posteriormente, veio a edificação de uma capela que, na verdade foi o marco inicial do novo povoado a sombra da qual cresceu o novo núcleo. AQUI A MATRIZ DE SANTA QUITÉRIA foto -  Marçal Carboneri IGREJA DE SÃO BENEDITO foto …

ENTRE RIOS DE MINAS / MINAS GERAIS - "BERÇO DO CAVALO CAMPOLINA", TEM RUAS CALMAS, BELOS CASARÕES, CACHOEIRAS E MUITA BELEZA NA SERRA DO GAMBÁ

LINHA DO TEMPO DE "ENTRE RIOS DE MINAS" / MINAS GERAIS / BRASIL A CIDADE A economia é baseada na agropecuária, sendo grande produtora de leite, milho e de uma cachaça artesanal muito famosa na região. O município é conhecido como berço do Cavalo Campolina e local aonde nasceu Santa Manoelina dos Coqueiros. A atmosfera aconchegante de Entre Rios é proporcionada pelas ruas calmas com casarões conservados, além das lindas arquiteturas da Igreja Matriz de Nossa Senhora das Brotas que tem influências neogóticas, datada de 1928, e do belo prédio do Hospital Cassiano Campolina, construído em 1910.
O TURISMO O município possui belezas naturais como cachoeiras e serras, e é um lugar propício para a prática de esportes ao ar livre como escalada, voô livre, mountain bike, trekking entre outros. Dentre os monumentos naturais destacam-se as cachoeiras do Gordo (18 km. da cidade), dos Faleiros (10 km. da cidade), Coqueiros (12 km. da cidade), do Diniz (12 km. da cidade), da mata (17 km. da c…

CONSELHEIRO LAFAIETE

BOM DIA. BEM VINDO A CONSELHEIRO LAFAIETE. UMA CIDADE ESTRATÉGICA copyrygth "Toramo / Morato CONSELHEIRO LAFAIETE TEM 116.527 HABITANTES. QUEM NASCE EM CONSELHEIRO LAFAIETE É: LAFAIETENSE O IDH DO MUNICÍPIO É DE: 0,793 - CONSIDERADO MÉDIO PELOS INDICADORES DA ONU A PADROEIRA DA CIDADE É A NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO. A CIDADE ESTA NUMA ALTITUDE MÉDIA DE: 1.014,5 METROS. A CIDADE FOI FUNDADA EM SETEMBRO DE 1790 HISTÓRIA Bandeiras devassaram a região, merecendo destaque a chefiada por Bartolomeu Bueno de Siqueira, que em 1694 se deteve em Itaverava, onde realizou plantações, para mais tranquilamente explorar as redondezas, em busca de Itacolomi. Essa bandeira constituiu-se no ponto de partida oficial da descoberta de ouro nas "Gerais" - nome que com o tempo substituiu o de Cataguás, pelo qual eram conhecidos os primitivos habitantes -, e trouxe , em conseqüência , o povoamento in tenso de uma grande área. De início nenhuma importância deram os desbravadores aos cascalhos e areias do…

ITU / SÃO PAULO - SEMPRE DE BRAÇOS ABERTOS PARA RECEBER QUEM QUER SE DIVERTIR, PASSEAR, APRECIAR UMA BOA COMIDA OU APENAS DESCANSAR. QUEM GOSTA DE TURISMO, PRECISA CONHECER ITU. E NÃO EH EXAGERO

LINHA DO TEMPO DE "ITU" / SÃO PAULO / BRASIL  Graças ao saudoso comediante Francisco Flaviano de Almeida, o Simplício, artista conhecido em todo o Brasil, Itu ficou conhecida como a terra dos exageros. Em um programa de televisão, nos idos dos anos de 1960, Simplício, durante suas piadas, criou o mito de que em Itu tudo era grande. A partir disso, os turistas voltaram seus olhos para a cidade que, por sua vez, começou a comercializar objetos em tamanho gigante e colocou em sua praça central um telefone público enorme e um semáforo de proporções ampliadas.  Essa bem humorada brincadeira ainda é o maior chamariz de visitantes para Itu, mas, ao chegarem, os turistas descobrem que as opções vão muito além da divertida lenda dos gigantismos.  Com uma infinidade de atrativos, o município está entre as 67 estâncias turísticas de São Paulo, sendo considerado um dos destinos obrigatórios para quem viaja pelo Estado. Com mais 400 anos, Itu reúne em seu território atrações de cunho histór…

CARACARAÍ / RORAIMA - A "Cidade Porto" tem Corredeiras, Hotel de Selva, Estação Ecológica, Parques Ambientais e grande Potencial Agrícola

LINHA DO TEMPO DE "CARACARAÍ" / RORAIMA / BRASIL Caracaraí é conhecida como “Cidade-Porto” por ter o maior movimento fluvial do estado de Roraima. A cidade nasceu como um local de embarque de gado para a capital amazonense. Os animais desciam até a boca da estrada, onde se iniciam as Corredeiras do Bem-Querer. Ali eram desembarcados e tangidos até um curral no porto municipal, onde eram embarcados para Manaus. As mercadorias vindas de Manaus, que tem como destino Boa Vista faziam este caminho em sentido inverso, e isso desenvolveu o lugar. O Aeroporto de Caracaraí possui a quarta maior pista de pouso da Amazônia Ocidental, com 2.500 metros de extensão, concluída pela Comissão de Aeroportos da Amazônia. A navegabilidade de Caracaraí a Manaus pelo baixo rio Branco é maior do que em outros pontos a Norte (ainda que grandes embarcações tenham dificuldades durante as fortes secas). As duas maiores e principais estradas federais de Roraima (BR-174 e BR-210 - "Perimetral Norte&…

VARGINHA / MG - A CIDADE DO "ET"

BEM VINDO A CIDADE DE VARGINHA. CONHECIDA COMO A CIDADE DO "ET". A PRINCESINHA DO SUL. imagem - ? VARGINHA TEM 123.081 HABITANTES QUEM NASCE EM VARGINHA EH: VARGINHENSE A CIDADE FAZ ANIVERSÁRIO EM 07 DE OUTUBRO E FOI FUNDADA EM 1.882 ORIGEM DO NOME Varginha chamou-se, inicialmente, Espírito Santo das Catanduvas, por ser seu solo encoberto por essa vegetação. O topônimo originou-se de Vargem Pequena - pequeno vale formado pelo ribeirão Santana, onde surgiu o Povoado. Com o crescimento, entretanto, a Cidade hoje se ergue sobre colinas. HISTÓRIA Os Primitivos habitantes do sul de Minas foram os índios cataguás, carajás, mandimbóias e outros, ramificados do grupo tupi-guarani. Em virtude de serem encontradas na Fazenda das Posses, urnas funerárias depositadas pelos cataguás, acredita-se que a região tenha sido habitada por esses índios. Os aborígines viviam nas proximidades do morro do Chapéu, a uma altitude de 1.239 metros, utilizando-o como ponto de observação. Segundo a tradição, Mano…

SENADOR GUIOMARD / ACRE - Cercada de histórias e culturas que herdaram na consolidação da cidade, reunindo etnias e tradições diversas, mantém acesa a centelha formadora do desenvolvimento

LINHA DO TEMPO DE "SENADOR GUIOMARD" / ACRE / BRASIL foto - ? População estimada 2016 (1) - 21.369 Área da unidade territorial 2015 (km²) - 2.321,454  Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 8,69  Código do Município 1200450  Gentílico - guiomaense 
ORIGEM DO NOME
O nome da cidade, Senador Guiomard, eh uma homenagem ao seu fundador. Porém, grande parte da população continua usando o antigo nome da cidade, Quinari, que eh de origem indígena, por não concordar com a mudança do nome da cidade. Gentílico: guiomaense  HISTÓRICO A história de Senador Guiomard começa em 1930, com formação da colocação Quinarizinho, durante o auge do extrativismo.  Foram 32 famílias oriundas do Nordeste do país que iniciaram o povoamento daquela região, tendo sido aberta a estrada até Rio Branco em 1947. Foi elevado à categoria de vila em 1956, sendo seu primeiro subprefeito nomeado em 1957, passando então a se chamar Vila Grande Quinari.  Seu nome, segundo os moradores mais antigos, está associado à uma árvore …

BOM DESPACHO - CIDADE SORRISO

BEM VINDO A CIDADE DE BOM DESPACHO
imagem - Benício Cabral
BOM DESPACHO TEM 45.624 HABITANTES - IBGE 2010 -
QUEM NASCE EM BOM DESPACHO EH: BOM DESPACHENSE
A CIDADE FAZ ANIVERSÁRIO EM 01 DE JUNHO E FOI EMANCIPADA EM 1.912
ORIGEM DO NOME

DIAMANTINA

BOM DIA. BEM VINDO AO PATRIMÔNIO CULTURAL DA HUMANIDADE. BEM VINDO A DIAMANTINA. CIDADE DAS SERESTAS copyrigth "Mauro Braga" DIAMANTINA TEM HOJE, 45.884 HABITANTES. QUEM NASCE EM DIAMANTINA ÉH: DIAMANTINENSE. O IDH DO MUNICÍPIO É DE: 0,748 - CONSIDERADO MÉDIO PELOS INDICADORES DA ONU A ECONOMIA DO MUNICÍPIO É FORTE NO SETOR ESTUDANTIL. AQUI SE ENCONTRA A UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO JEQUITINHONHA E MUCURI. AQUI FORAM REALIZADOS EM 2010, 194 CASAMENTOS, 19 SEPARAÇÕES E 28 DIVÓRCIOS. Conhecida inicialmente como Arraia do Tijuco ou Tejuco, a cidade emancipou-se do município do Serro em 1831, passando a se chamar Diamantina por causa do grande volume de diamantes encontrados na região. Essas pedras eram extraídas em grandes quantidades pela Coroa de Portugual, durante o século XVII. Em 1938, Diamantina comemorou seus 100 anos de elevação à categoria de cidade, recebendo do IPHAN o título de Patrimônio Histórico Nacional. E, no ano de 1999, foi tombada pela UNESCO como: Patrimônio cult…