Pular para o conteúdo principal

NEPAL / WORLD - Terra natal de Sidartha Gautama (Buda), uma população dividida em diversas etnias, diante da força e majestade da maior montanha do planeta




LINHA DO TEMPO DO "NEPAL" / WORLD
O Nepal é o país natal de Sidartha Gautama, o Buda. Apesar da predominância do hinduísmo, elementos budistas fazem parte constante da paisagem local, como na estupa Swayambhunath, em Kathmandu
Poucos países são tão imediatamente ligados a uma de suas atrações como o Nepal. A Torre Eiffel é símbolo inequívoco da França, assim como a Estátua da Liberdade é a imagem perfeita dos Estados Unidos.
Porém, nenhuma tem a força e a majestade da maior montanha do planeta, o Monte Everest. É certo que o Nepal divide as honras com a China, mas toda a história de seu batismo e sua histórica e definitiva conquista estão ligados ao lado nepalense.
Em 1953, o neozelandês Edmund Hillary e o sherpa Tenzing Norgay conquistaram os 8848 metros da montanha que os tibetanos chamam de Chomolungma, Mãe Deusa da Terra, e os nepaleses de Sagharmata.
Kathmandu é uma confluência de diferentes povos, idiomas e religiões, sendo o hinduísmo a crença predominante de todo o Nepal 
foto - Thinkstock
O aeroporto Tenzing-Hillary, em Lukla, homenageia a dupla que conquistou o Monte Everest, em 1953. Com apenas 460 metros de comprimento e 20 de largura, é considerado uma das pistas mais perigosas do mundo, sujeita a fortes rajadas de vento e péssimas condições de voo
foto - Thinkstock
Confluência das culturas muçulmana, budista e hindu, o comércio de rua da capital do Nepal tem um charme todo especial. Junto com a menina que vende flores para oferendas aos deuses indianos está um rapaz vendendo moderníssimos artigos usados para trekking e montanhismo. Cafés que oferecem internet para quem passou as últimas semanas isolado no acampamento-base do Everest estão ombro a ombro com barracas com produtos que você nem imagina o que são. De vez em quando, é melhor nem ficar sabendo
foto - Califórnia Cowgirl
De lá para cá as ruas de Kathmandu e o campo-base do Everest tornaram-se uma espécie de esquina do mundo, repleta de trekkers e montanhistas de todo o globo, dos que planejaram a vida inteira para estar lá aos que só estão de passagem, satisfeitos com a vista da pirâmide de gelo e rocha.
Com uma população dividida em diversas etnias e majoritariamente hindu, o país ainda é muito pobre, com infraestrutura e serviços turísticos precários. E a situação política instável não ajuda o acesso a alguns lugares com grande beleza cênica e importância histórica.
O Vale Kathmandu é listado como Patrimônio da Humanidade pela Unesco, contendo o templo budista de Swayambhunath. A terra natal de Sidartha Gautama, o Buda, a pequena, mas movimentadíssima Lumbini e a cidade-lago de Pokhara são algumas atrações que chamam a atenção.
Senhora vendendo produtos no mercado de Khatmandu
foto - Califórnia Cowgirl
Lago de degelo do Monte Cho Oyu

foto - Thinkstock
Face Norte do Everest, na fronteira entre China e Nepal
foto - Thinkstock
Nas partes baixas do Nepal, é a rica fauna do Parque Nacional Chitwan e da Reserva de Vida Selvagem Koshi Tappu que são a grande atração. É possível ver alguns grandes animais, como rinocerontes, além de crocodilos e aves, em animados safáris no lombo de um elefante ou, mais tradicionalmente, em jipes. 
Emocionantes descidas de bote são a pedida em rios como o Arun e o Thrishuli. As águas de degelo dos Himalaias e, principalmente, das monções descem vale abaixo em corredeiras poderosas com alto grau de dificuldade. O rafting no Nepal é de altíssimo nível e é explorado através de expedições que levam cerca de uma semana.
Mas o que atrai mesmo centenas de turistas são os picos gelados do Himalaia. A grande maioria passará um ou dois dias na capital e de lá seguirá para campos-base como o do Everest -- passando por áres mitológicas para os amantes do alpinismo, como Namche Bazaar --, onde levantará acampamento e fará caminhadas nos arredores, por entre vales e geleiras, sempre em altitudes acima dos 5 mil metros. Ou seja, já está bem acima das capacidades físicas dos viajantes comuns. Lagos de degelo do Cho Oyu e o belo vale do Gokyo fazem parte do cardápio de aventuras.
foto - Thinkstock
Face sul do Everest com o Lhotse em primeiro plano, Nepal
foto - Thinkstock
Lago de degelo do Monte Cho Oyu, Nepal
foto - Thinkstock
COMO CHEGAR
A forma mais fácil de conhecer o Nepal é através de companhias especializadas em turismo de aventura e natureza. Elas tem acordos com operadoras que providenciarão todos os detalhes de sua viagem: traslado, transportes entres as cidades e acampamentos, aluguel de equipamento, carregadores, cozinheiros, guias, hospedagem e por aí vai. Custa caro, mas lhe economizará muito tempo e dores de cabeça com agências de baixa reputação. Lembre-se que o esforço físico aqui é alto e é bom ter uma boa assistência.
Não há voos diretos entre o Brasil e o Nepal, então a melhor forma de chegar até Kathmandu, a capital do país, é através de voos vindos da Índia.
Monastério em Muktinath, Nepal
foto - Thinkstock
Stupa Boudhanath, Kathmandu, Nepal
foto - sarahtz
QUANDO IR
De junho a setembro (monções) - chuvas pesadas e baixa temporada.
De outubro a dezembro (pós-monções) - boa época para fazer rafting, com rios caudalosos, mas seguros. Um período muito agradável também para fazer caminhadas entre os vales e no alto dos planaltos.
De janeiro a março (inverno) - as temperaturas caem muito nos planaltos e nos Himalaias. Fortes nevascas e péssimas condições de estrada fazem desta época uma das piores para o turista.
De abril a junho (estação seca) - época mais seca e quente do ano, com temperaturas superando os 40 graus nas planícies e até mesmo em Kathmandu. No entanto, é a melhor época para a prática do hiking e para chegar até aos pés de montanhas como Everest/Lhotse, Kangchenjunga, Makalu e Annapurna, todas com mais de 8 mil metros de altura.
Durantes os safáris no sul do Nepal é possível (mas muito improvável) conseguir achar um tigre de bengala (Pathera tigris tigris). A espécie é uma das mais ameaçadas do planeta
foto - Thinkstock
Praça Taumadhi em Bhaktapur, Nepal
foto - Thinkstock
O Nepal possui alguns dos últimos habitats preservados do panda vermelho (Ailurus fulgens) em suas florestas, como o Parque Nacional Langtang e a Reserva de Caça Dhorpatan
foto - Thinkstock
foto - Wikipédia
NEPAL EH CONHECIDO COMO O TOPO DO MUNDO, POR ESTAR AO PÉ DO PONTO MAIS ALTO DA TERRA. O EVEREST
Nepal é um país asiático da região dos Himalaias. É limitado a norte pelo Tibete, região autónoma da China e a leste, sul e oeste pela Índia. É um país sem costa marítima. A sua capital é Catmandu. No país, se situa o Monte Everest, o ponto mais alto da terra, com 8 848 metros, na fronteira norte com a China (Tibete).
CORDILHEIRA DO HYMALAIA
foto - Wikipédia
As principais cidades desta nação são, além da capital, a cidade-lago de Pokhara e Lumbini, onde nasceu Sidarta Gautama, o Buda. Têm grande importância para o turismo, sendo reconhecidas pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura devido ao valor histórico e por lá se encontrar um grande acervo monumental.
ONDE SUPOSTAMENTE NASCEU BUDA
foto - Wikipédia
É um país pobre, situado na encosta da cordilheira do Himalaia, no centro da Ásia. Tem uma das maiores densidades demográficas do continente, com 184 habitantes por quilômetro quadrado. A população nepalesa é composta de 12 etnias, que convivem harmoniosamente. A agricultura emprega 90% da mão de obra, tornando o país grande fornecedor de arroz para a região. Em vez de construção de estradas, conter a erosão do solo há séculos tem sido a principal ocupação dos governantes, sendo que o sistema de terraços usados na irrigação do arroz é um desafio aos meios usados no ocidente para conter o mesmo tipo de erosão.
AQUI, A FAIXA DE POKHARA, NO HIMALAIA
foto - ?
ESTA EH PASHUPATINATH
foto - ?
foto - ?
LAGO FEWA EM POKHARA
foto - ?
SITUAÇÃO COMUM NA CIDADE
foto - ?
MOEDA RARA
foto - ?

fonte / fotos = Wikipédia / viajeaqui.abril.com.br / Thymonthy Becker / Divulgação / 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MARECHAL DEODORO / ALAGOAS - A primeira capital de Alagoas, Patrimônio Histórico Nacional, numa simpática viela de colorido casario colonial, nasceu Marechal Deodoro da Fonseca

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "MARECHAL DEODORO" / ALAGOAS / BRASIL
O centro histórico de Marechal Deodoro em Alagoas tem muitas construções antigas, mas nem tudo está preservado A primeira capital de Alagoas ganhou, em 2006, o título de Patrimônio Histórico Nacional. Reúne um conjunto de dez igrejas, a maioria em ruínas. Entre elas estão a Senhor do Bonfim (1755), no bairro de Taperaguá, a N.S. do Amparo (1757), na Rua Ladislau Neto, e o importante complexo (atualmente em restauração, fechado para visitas) onde ficam o Museu de Arte Sacra, o Convento de São Francisco e a Igreja de Santa Maria Madalena. A casa onde o Marechal Deodoro da Fonseca viveu até os 16 anos é um museu, na rua que leva o seu nome (uma simpática viela de colorido casario colonial). Você pode estacionar o carro ali e, com um guia do museu, conhecer os arredores. foto - ? População estimada 2016 (1) - 51.715
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 332,140
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 138,62
Código…

CARATINGA / CIDADE ESPERANÇA / TERRA DAS PALMEIRAS

SEJA SEMPRE BEM VINDO A CIDADE DE CARATINGA. A CIDADE DO MENINO MALUQUINHO
copyrigth "?" ORIGEM DO NOME
A denominação do município Caratinga, de origem indígena, (cará / tinga = branco) é devido à falta de alimentação diversificada, o que fazia com que os primeiros habitantes da região se alimentassem de um tubérculo muito encontrado na região na época do povoamento, um cará-branco que servia de alimento para os índios CARATINGA TEM ATUALMENTE, 85.322 HABITANTES. QUEM NASCE EM CARATINGA É: CARATINGUENSE. O IDH DO MUNICÍPIO É DE: 0,754 - CONSIDERADO MÉDIO PELOS INDICADORES DA ONU. A CIDADE FAZ ANIVERSÁRIO EM 24 DE JUNHO. FOI FUNDADA EM 1848 EM CARATINGA, FORAM REALIZADOS EM 2010, 513 CASAMENTOS 056 SEPARAÇÕES 079 DIVÓRCIOS. HISTÓRIA
Em 1841 aportou por estas terras o grande desbravador Domingos Fernandes Lana, que aqui permaneceu até 1847.
No final desse ano, João Caetano do Nascimento, João Antônio de Oliveira e João José, bravos pioneiros, vieram de mudança, trazendo suas famílias,…

CORONEL FABRICIANO / CIDADE DA SERRA DOS COCAIS

BOM DIA. BEM VINDO A CORONEL FABRICIANO.
copyrigth "pmcf" CORONEL FABRICIANO TEM 103.797 HABITANTES. QUEM NASCE EM CORONEL FABRICIANO É: FABRICIANENSE. O IDH DO MUNICÍPIO É DE: 0,789 - CONSIDERADO MÉDIO PELOS INDICADORES DA ONU. A ÁREA DA CIDADE É DE APENAS 221 QUILÔMETROS QUADRADOS. DEVIDO A ISTO, A DENSIDADE DEMOGRÁFICA É ALTA. SÃO 470 HABITANTES POR QUILÔMETRO QUADRADO. Destemidos desbravadores, muitos dos quais heróis anônimos que arrostando o endêmico impaludismo, em meio selvagem e hostil, abriram picadões, rasgaram clareiras, mata virgem adentro sertões afora, para que a ferrovia Vitória a Minas pudesse estender as suas paralelas de aço em direção a Itabira, em demanda do riquíssimo minério de ferro do fabuloso Cauê, hoje fonte principal de uma das maiores divisas acarretadas para a Pátria Brasileira. Foi do arroio daqueles heróicos operários, que surgiu a atual cidade Coronel Fabriciano, que até o princípio de 1922 não passava de uma floresta virgem, não violada p…

QUARTEL GERAL / MINAS GERAIS - Paisagens naturais, Trilhas do Indaiá, Cachoeiras, esportes Radicais, Jipeiros, Construções Históricas. Aventure-se nesta jornada

LINHA DO TEMPO DE "QUARTEL GERAL" / MINAS GERAIS / BRASIL
Quartel Geral faz parte do circuito turístico caminhos do Indaiá. Quartel Geral uma cidade tão especial e peculiar para os mineiros. Eugênia, esposa de Tiradentes, depois de sua morte morou na cidade com seu filho em uma fazenda. A mineração dos diamantes também foi um ponto marcante para a criação do povoado e posteriormente, da cidade. São aspectos que permeiam a história de Quartel Geral e que somente entrando nas verdes matas para descobrir os caminhos do Indaiá, o Rio que atravessa vários municípios e que deu nome ao circuito turístico. Para quem gosta de esportes radicais, os trilheiros, jipeiros e de cachoeiras, Quartel Geral pode proporcionar muitas aventuras.
Academia da Saúde em Quartel Geral, Minas Gerais,  tem por objetivo manter a população saudável
foto - Câmara Municipal Conhecer Quartel Geral também é uma aventura por tudo que o município tem a oferecer com suas paisagens naturais. Aventure-se nessa jornada. Q…

PATOS DE MINAS

BOM DIA. BEM VINDO A PATOS DE MINAS. A CIDADE DA MAIOR FESTA DO MILHO DO BRAZIL E POLO ECONÔMICO REGIONAL copyrigth "maira" PATOS DE MINAS TEM ATUALMENTE, 138.836 HABITANTES. QUEM NASCE EM PATOS DE MINAS É: PATENSE. O IDH DO MUNICÍPIO É DE: 0,813, CONSIDERADO ELEVADO PELOS INDICADORES DA ONU. PATOS DE MINAS É O MAIOR POLO ECONÔMICO E A MAIOR CIDADE DO ALTO PARANAÍBA. EM MAIO, ACONTECE NA CIDADE, A MAIOR FESTA DO MILHO DO BRAZIL. Origem do nome do Município provém da enorme quantidade de patos que existiam no território, encontrados habitualmente em uma grande lagoa, a três quilômetros da margem do rio Paranaíba. Atraídos pela caça abundante e variada, os tropeiros que levavam suas tropas pelo interior de Minas Gerais faziam pouso a beira dessa lagoa, construindo ranchos em que se abrigavam. Neste tempo, todo o oeste de Minas estava coberto de matas, atravessadas apenas por estreitas trilhas, que tinham em alguns pontos, a léguas de distância, vestígios de civilização. Com o correr …

OLIVEIRA / MINAS GERAIS - A terra Natal do Cientista "Carlos Chagas" eh repleta de belíssimos casarões que contam a história da cidade

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "OLIVEIRA" / MINAS GERAIS / BRASIL BEM VINDO A OLIVEIRA. TERRA DO CIENTISTA DESCOBRIDOR DA DOENÇA DE CHAGAS copyrigth "PMO" Esta Figueira se desenvolveu abraçada a um coqueiro, derivando daí o nome “coqueiro abraçado”, o fenômeno biológico não é único, mas bastante raro  e em Oliveira se transformou no maior símbolo da cidade, pois está ligado aos sentimentos de carinho e amor, além de ensejar a harmonia indispensável a uma comunidade urbana, sendo um exemplo da natureza para o Homem. O coqueiro abraçado está localizado na região central da cidade. AQUI, O MORRO DO CRISTO
copyrigth "PMO"
População estimada 2016 (1) - 41.739 Área da unidade territorial 2015 (km²) - 897,294 Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 43,98 Código do Município 3145604 Gentílico - oliveirense
ORIGEM DO NOME O topônimo registra duas versões: segundo uns, originou-se da presença de oliveiras entre as árvores frutíferas…

VARZEA DA PALMA - NO CAMINHO DA BAHIA

BEM VINDO A CIDADE DE VARZEA DA PALMA. 
foto - Alonso Alves dos Reis Neto
VARZEA DA PALMA TEM 35.809 HABITANTES - IBGE 2010 -
QUEM NASCE EM VARZEA DA PALMA EH: VÁRZEA PALMENSE
A CIDADE FAZ ANIVERSÁRIO EM 12 DE DEZEMBRO E FOI EMANCIPADA EM 1.953
ORIGEM DO NOME

SÃO JOSÉ DA VARGINHA

BEM VINDO A CIDADE DE SÃO JOSÉ DA VARGINHA. A TERCEIRA MAIOR PRODUTORA DE FRANGOS DAS MINAS GERAIS. UMA DAS MELHORES PARA SE VIVER E INVESTIR copyrigth "André Luiz Silva" SÃO JOSÉ DA VARGINHA TEM 4.198 HABITANTES (IBGE 2010) QUEM NASCE EM SÃO JOSÉ DA VARGINHA EH: VIRGINENSE DE SÃO JOSÉ A CIDADE FAZ ANIVERSÁRIO EM 1º DE MARÇO E FOI FUNDADA EM 1963 ORIGEM DO NOME O padre Antônio Moreira Barbosa incentivou os novos habitantes a criar o povoado numa linda vargem que existia as margens do Ribeirão de Lages. Devido a sua devoção à São José e a linda vargem que lá existia, a localidade recebeu o nome de São José da Varginha. HISTÓRIA Os primeiros habitantes da região, onde hoje se localiza o Município de São José da Varginha, vieram em busca de ouro na região de Pitangui. Porém, como na localidade se cobrava o imposto do quinto, o bandeirante Domingos Rodrigues do Prado resolveu se estabelecer em outra localidade, trazendo consigo outros paulistas, iniciando assim a ocupação das terras do …

RIO GRANDE DO SUL / BRASIL - As lembranças, as emoções que ficam, as histórias para contar, os pequenos prazeres que só tem valor quando a gente vive o momento

LINHA DO TEMPO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL / BRASIL Como não se render à beleza e os encantos de cada pedacinho de chão desse Rio Grande do Sul? Alguns destinos onde a natureza encanta por sua serenidade, e se apresenta por trilhas ecológicas, belas cascatas, cachoeiras, grutas, cânions e montanhas. E assim nos recebe esse Rio Grande... Conversando com nossa gente, com um mate bem cevado às mãos e a tradição gaúcha no coração... Aventure-se! Existem várias formas de conhecer o Rio Grande do Sul. Você pode optar pela rota metropolitana, onde estão as principais cidades mais próximas de Porto Alegre, o Litoral, onde poderá conhecer as melhores praias, a Serra Gaúcha, um dos destinos mais procurados por turistas que visitam o Estado, e ainda a Rota Central e Interior, onde cidades atrativas esperam a sua visitação. Ser gaúcho é motivo de muito orgulho para cada um dos 10,5 milhões de habitantes do Rio Grande do Sul. Mais dia menos dia, mesmo quem não é nascido no estado, mas ali vive, co…

DIVINÓPOLIS / MINAS GERAIS - COM O 5º MELHOR IDH, 10ª MELHOR PARA INVESTIR E CONSIDERADA A METRÓPOLE DO FUTURO SEGUNDO A REVISTA "VEJA"

LINHA DO TEMPO DE DIVINÓPOLIS / MINAS GERAIS / BRASIL  HISTÓRIA Os índios que habitavam Divinópolis, mais de quatro mil, eram um povo pacífico. A Legião da Conquista (cerca de 1400 homens fortemente armados sob o comando do Mestre de Campo Inácio Correia de Pamplona), pelos idos de 1785, expulsou a comunidade indígena na região que partiu em direção à Floresta Amazônica (Alto Xingu). Segundo o pesquisador Flávio Flora, os índios que habitavam Divinópolis eram os índios da Nação Caipó, da tribo Candidés. Manoel Fernandes Teixeira marca sua chegada em 1684, as margens do rio Itapecerica, habitadas pelos índios Candidés, o começo da cidade. Conta – se que ele era de origem portuguesa. Mais tarde em 1770, quando se tornou próspero fazendeiro doou à Mitra Arquidiocesana de Mariana um terreno de “40 alqueires de terra e um lote de casas”, onde se construiu uma capela destinada ao Divino Espírito Santo e a São Francisco de Paula, iniciando o povoado do Divino Espírito Santo do Itapecerica. A cida…