Pular para o conteúdo principal

CATAGUASES / MINAS GERAIS - Venha ver e fazer filmes nesta cidade cinematográfica. Deixe saudades e leve lembranças




LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "CATAGUASES" / MINAS GERAIS / BRASIL
“O nome Cataguases vem – pelo menos, até provas em contrário, pois muitas são as controvérsias nessa cidade em constante questionamento – , pois é, o nome Cataguases parece que vem de uma tribo de índios que habitava a região, os ‘Catu-auás’. Dizem que o nome catu-auá significa em tupi-guarani ‘terra de gente boa’. E Cataguases sabe receber muito bem. Quem bebe da água do Rio Pomba nunca deixa de voltar. Dizem. ”
Confira alguns dos mais importantes pontos turísticos de Cataguases.
Além de inúmeras obras artísticas e arquitetônicas modernas tombadas pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), Cataguases também oferece inúmeras construções marcantes do final do século XIX, belíssimas paisagens naturais, museus, centros culturais e muito mais!
PONTE METÁLICA (DE 1.914)
A construção da Ponte Metálica foi determinada em 1910, devido à solicitação do deputado federal Astolpho Dutra Nicácio. Ela foi erguida para substituir a ponte anterior, de 1842, feita em madeira, que ligava o núcleo urbano de Cataguases à margem oposta do Rio Pomba, que corta a cidade. Com material importado da Alemanha e mão-de-obra especializada, vinda de fora, as obras foram iniciadas dois anos depois e terminadas em 1914.


SANTUÁRIO DE SANTA RITA DE CÁSSIA (DE 1.968)
Em 1941, chega a Cataguases o padre Solindo José da Cunha – e com ele a ousadia de um novo templo, inaugurado apenas em 1968. O projeto de Edgar Guimarães do Valle traz o arrojo da nave livre, do vão central sem colunas. Na parte frontal externa, “A vida de Santa Rita”, painel de Djanira. Em 1995, o interior da nave rompe com o “branco-silêncio” de suas paredes e ganha o mural “A via Cruzis de Jesus Cristo”, assinado por Nanzita.
imagem - SG Trangel
imagem - SG Trangel
imagem - Setigua


PAÇO MUNICIPAL (DE 1.900)
Com suas linhas remetendo ao neoclássico, o Paço, que abriga com exclusividade o corpo administrativo da cidade, foi erguido ao mesmo tempo em que se remodelava a velha igreja matriz, no final do século XIX. O Coronel João Duarte Ferreira, à época uma das grandes fortunas do estado, foi quem financiou a parte final da construção e do mobiliário.
imagem - SG Trangel
ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DE CATAGUASES ( DE 1.877)
Uma das mais antigas construções ainda preservadas do conjunto Arquitetônico da Praça Governador Valadares, o prédio – típico de todas as estações da época, seguindo o traçado dos pavilhões industriais ingleses – foi construído no final do século XIX pela Estrada de Ferro Leopoldina. Após a privatização, o prédio foi cedido à Prefeitura Municipal, que o reformou inteiramente, na década de 1990, após seu tombamento pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). Em 1997, a estação foi reaberta, desta vez como Centro Cultural Eva Nil.
imagem - SG Trangel
COLÉGIO CATAGUASES ( DE 1.957)
Principal obra do arquiteto Oscar Niemeyer em Cataguases, o prédio do Colégio foi encomendado pelo industrial e escritor Francisco Inácio Peixoto para substituir o antigo ginásio da cidade, que funcionava no mesmo local desde 1909.
Entre os anos de 1948 e 1974, o salão nobre recebeu uma das obras-primas do pintor brasileiro Cândido Portinari, o painel “Tiradentes. O acervo do Colégio ainda conta com o painel de pastilhas original do modernista Paulo Werneck e a escultura “O Pensador”, de Jan Zach.
MUSEU DA ELETRICIDADE (DE 1.926)
O Museu da Eletricidade – Espaço Documentário foi inaugurado em 1985 e acha-se instalado em uma construção do início do século XX, com uma tipo de arquitetura urbana muito comum na época. Além do acervo, o Museu abriga um centro didático e interativo sobre o uso da eletricidade, a Super Estação de Energia. 
Na lateral do casarão, ainda dentro de seu complexo,há o Café do Museu e o Anfiteatro Ivan Müller Botelho.
MUSEU CHÁCARA DONA CATARINA
Localizado em posição frontal ao velho prédio da Estação Ferroviária, o Museu está instalado na antiga residência do Coronel João Duarte Ferreira e de sua segunda mulher, a italiana Catarina Zauza. A Chácara encontrava-se em total abandono até o final do século passado quando foi totalmente recuperada juntamente com seus jardins pela Fundação Cultural Ormeu Junqueira Botelho, pela Telemar, pela Usiminas e inaugurada em 2000.
FIAÇÃO E TECELAGEM DE CATAGUASES
A “Fábrica Velha” foi inaugurada em 1905, embora suas obras completas tenham se acabado somente em 1913. O prédio, cuja área instalada tem hoje mais de 11 mil metros quadrados, destinava-se na época a abrigar os modernos teares movidos a eletricidade e todo complexo da Fábrica de Fiação e Tecelagem Manuel Ignácio Peixoto e Filhos. Hoje ele abriga o Instituto Francisca de Souza Peixoto, o “Chica”.

HOTEL CATAGUASES (DE 1.951)
A influência de Oscar Niemeyer, principalmente o traçado do Colégio Cataguases, se faz sentir nesse projeto do final dos anos 1940, realizado por Aldary Toledo. 
Novamente, vê-se aqui uma bela composição realizada a partir de soluções de grande simplicidade e despojamento. O mobiliário é de Joaquim Tenreiro, o paisagismo do Hotel é de Carlos Perry e, na entrada, um espelho d`água serve como pano de fundo para a escultura “Mulher”, de Jan Zach.
GRANDE HOTEL VILLAS (DE 1.893)
Projetado pelo engenheiro Guido Bergamini em 1893, o Grande Hotel Villas é outro integrante do complexo arquitetônico da Praça Governador Valadares, no entorno da Estação Ferroviária. Ele foi construído para sediar a matriz do Banco de Cataguases, a mando do coronel João Duarte Ferreira. Em 1895, João Duarte arrendou o prédio a José Villas Bouçada, que o transformou no Grande Hotel Villas.
HORTO FLORESTAL
O Horto Florestal possui uma área de 70 hectares de terra que se destinam ao cultivo de mudas de várias espécies como: Pau-Brasil, Pau-Ferro, Pinha, Pitanga, Pitomba, Romã, Sapucaia, Sete Casca, Sapoti, Tamarino e outros. Possui também mudas destinadas a arborização e ao paisagismo.
Existe no Horto Florestal uma diversidade enorme de animais como macacos, cachorros do mato, bichos preguiça, pássaros variados, entre outros. No horto, há ainda venda de mudas para jardinagem e arborização.
FEIRA DE ARTESANATO
A Feira de Artesanato é realizada aos sábados na Praça Rui Barbosa e aos domingos na praça Santa Rita. Com barracas padronizadas, os artesãos e fabricantes de doces e salgados caseiros, apresentam seus trabalhos para a comercialização. Os artesanatos são geralmente em madeira, sisal, tecidos, telas, bordados e tricô.Os doces em compotas, pedaços e caldas, são feitos com frutas da época, assim como os licores e os sucos.


BEM VINDO A CIDADE DE CATAGUASES. A PRINCESINHA DA ZONA DA MATA. UMA CIDADE DE CINEMA
imagem - ?
População estimada 2016 (1) - 74.609
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 491,767
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 141,85
Código do Município 3115300
Gentílico - cataguasense
ORIGEM DO NOME
Consta que o topônimo Cataguases foi adotado por sugestão do Coronel José Vieira. Filho do Major Joaquim Vieira e nascido numa fazenda banhada por um pequeno rio com aquele nome, situado no atual Município de Prado. Seu significado é segundo uns, "gente boa", segundo outros, "terra das lagoas tortas", ou, ainda, "povo que mora no país das matas”.
Gentílico: cataguasense
HISTÓRICO
A primitiva povoação de Meia Pataca, hoje cidade de Cataguases e sede do município do mesmo nome, foi fundada pelo francês Guido Tomaz Marlière em terreno doado pelo sargento das ordenanças, Henrique José de Azevedo e por outros moradores do sítio, conhecido, então, por Porto dos Diamantes.
O fato deu-se a 26 de maio de 1826, havendo no local 38 lares de brancos e várias aldeias de índios coroados, coropós e puris.
Sobre a denominação de "Porto dos Diamantes", a mais antiga, admite-se tenha ela vindo do fato de, em 1809 ou 1810, ali terem aportado muitas dignidades eclesiásticas, atraídas pela fama de ser abundante a produção de diamantes no local, fenômeno, aliás, não confirmado.
HOTEL
imagem - Luiz Fernando Leitão
CULTURA
Considerada como cidade histórica de Minas Gerais, Cataguases gravou seu nome no cinema brasileiro com Humberto Mauro, nos anos 1920, alcançou grande repercussão com a revista e o Movimento Verde.
Cataguases esteve à frente no Movimento Moderno de arquitetura na década de 1940, muito por incentivo de Francisco Inácio Peixoto e José Pacheco de Medeiros Filho, que levaram à cidade diversos arquitetos e artistas modernos para desenhar uma nova estética e consequente mentalidade para a cidade. Importantes nomes como Oscar Niemeyer, Cândido Portinari, Burle Marx, Joaquim Tenreiro, Djanira, José Pedrosa, Jan Zach, deixaram seus traços na cidade.
Diversos prédios modernos foram construídos na época e em 1995, o IPHAN decidiu pelo tombamento de uma poligonal no centro da cidade de aproximadamente 60 quadras face à importância de seu patrimônio arquitetônico.
SEDE DO PODER EXECUTIVO - PREFEITURA -
imagem - SG Trangel
HOSPITAL
imagem - SG Trangel
RIO POMBA
imagem - ?
IGREJA DE SÃO CRISTÓVÃO
imagem - SG Trangel
MATRIZ DE SANTA RITA DE CÁSSIA. LATERAL, MURAL, NA PRAÇA E INTERIOR
imagem - SG Trangel
imagem - Setigua
IGREJA DE SÃO SEBASTIÃO
imagem - SG Trangel
IGREJA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO
imagem - SG Trangel
IGREJA DO SENHOR DO BONFIM. E NO CONTEXTO DA PRAÇA
imagem - SG Trangel
imagem - SG Trangel
IGREJA DE SÃO JOSÉ OPERÁRIO
imagem - SG Trangel
MOVIMENTO CULTURAL
Na década de 1960, contou com diversos movimentos culturais de vanguarda. Destacando-se o Centro de Arte de Cataguases (CAC), do qual participou Carlos Moura, Paulo Martins, Silvério Torres, Antônio Jaime Soares, entre outros. E o Centro de Arte Experimental de Cataguases (CAEC), além de um grupo de poesia liderado pelos irmãos Branco e por Ronaldo Werneck, do qual também participaram Lina Tâmega Del Peloso, Márcia Carrano, Sebastião Salgado, Arabella Amarante.
Destaque para a produção do filme "O anunciador, o homem das tormentas", de Paulo Martins, que teve início no final da década de 1960 e lançamento no início dos anos 70, vez que se trata de um dos pouquíssimos filmes underground feitos em todo o mundo.
AQUI A ANTIGA FIAÇÃO E TECELAGEM
imagem - SG Trangel
MONUMENTO
imagem - SG Trangel
MONUMENTO A JOSÉ INÁCIO PEIXOTO
imagem - SG Trangel
INSTITUTO DAS IRMÃS CARMELITAS
imagem - SG Trangel
CULTURA HOJE
Nos dias atuais, destacam-se os trabalhos do escritor Luiz Ruffato, vencedor do Prêmio Jabuti com "Eles Eram Muitos Cavalos", e também do artista plástico Luiz Lopez, com suas séries de obras sobre o tema "campo de futebol".
Destacam-se também as recentes aquisições escultóricas, com obras públicas de Amílcar de Castro e Sonia Ebling.
A cidade, que desde o início do século passado mantém acesa a chama literária, realiza desde 2009, o FELICA (Festival Literário de Cataguases) e que já é uma grande referência literária em toda Zona da Mata Mineira.
AQUI OUTRO MONUMENTO
imagem - SG Trangel
PONTE VELHA
imagem - Setigua
NOVA CATAGUASES
Atualmente, Cataguases mantém o o perfil de cidade do cinema realizando anualmente o Festival Ver e Fazer Filmes, que conta com a participação de produtores convidados de várias partes do país e até do exterior para a produção e exibição de curtas.
AQUI A BELÍSSIMA PRAÇA GOVERNADOR VALADARES
imagem - SG Trangel
imagem - SG Trangel
imagem - SG Trangel
imagem - SG Trangel
imagem - SG Trangel
MUSEU CHÁCARA
imagem - SG Trangel
imagem - Setigua
UMA VISÃO GERAL DA CIDADE
imagem - ?
imagem - Setigua
imagem - Setigua
imagem - ?
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE DE CATAGUASES, MINAS GERAIS

VALEU PELA VISITA, SEMPRE VOLTE A NAVEGAR POR AQUI. ATÉ A PRÓXIMA.

fonte / fotos / Wikipédia / Thymonthy Becker / portal da prefeitura municipal de Cataguases / IBGE /


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIANÓPOLIS / TOCANTINS - Berço cultural do estado, tem mais à oferecer, cascatas, cachoeiras, museu e "garganta"; platô da serra geral com cânions e mirantes

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "DIANÓPOLIS" / TOCANTINS / BRASIL DIANÓPOLIS
BEM VINDO A CIDADE DE DIANÓPOLIS. CIDADE DO DIANOFOLIA
imagem - ? População estimada 2016 (1) - 21.457
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 3.217,313
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 5,94
Código do Município 1707009
Gentílico - dianopolino
ORIGEM DO NOME DE DIANÓPOLIS, TO
A origem do nome "Dianópolis" está relacionada a Francisco das Chagas Moura, que foi prefeito do município entre os anos de 1934 a 1938. Então, a cidade chamava-se "São José do Du•ro". "Duro" era uma simplificação de "D´ouro", uma vez que a região era rica em ouro em seu subsolo. Quando prefeito, Francisco Moura indicou que a cidade fizesse uma homenagem às senhoras do lugar que chamavam-se "Custodiana", conhecidas pela alcunha de "Diana". Daí a indicação da cidade passar a chamar-se "Dianópolis", quer dizer, "Terra das Dianas".
Gentílico: …

BRAGANÇA / PARÁ - A cidade respira Fé, Tradição e Cultura, nas belezas de suas praias, manguezais, rios, igarapés e ilhas

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "BRAGANÇA" / PARÁ / BRASIL  Bragança, localizada na região nordeste do Pará, a 210 quilômetros de Belém, capital do Estado, é um dos municípios mais procurados pelos turistas ao longo do ano, em especial durante as férias escolares.
Lar da Marujada, manifestação cultural que reúne milhares de pessoas no município para festejar São Benedito, Bragança tem praias oceânicas belíssimas, pra quem quiser aproveitar em qualquer época do ano.

A cidade, de origem portuguesa, guarda na sua cultura características religiosas marcantes e também festeja São Sebastião e Nossa Senhora de Nazaré.
Suas fronteiras são estratégicas. Assim, o município oferece o maior número de opções aos turistas: ao Norte está o oceano Atlântico, ao Sul, o município de Santa Luzia do Pará, a Leste os municípios de Augusto Corrêa e Vizeu e a Oeste, Tracuateua.

Na língua tupi, Caeté quer dizer 'mato grande' e, por estar localizada à margem esquerda do rio Caeté, Bragança é c…