segunda-feira, 17 de outubro de 2016

FORTE DOS REIS MAGOS / NATAL - Em formato de estrela, o forte ainda preserva os canhões, a capela, poço de água doce e alojamentos




LINHA DO TEMPO DO "FORTE DOS REIS MAGOS" / RIO GRANDE DO NORTE
No dia 6 de janeiro de 1598 (Dia de Reis) foi celebrada uma missa para dar início à construção do forte. Trinta anos depois, a obra estava pronta. Na visita, guias mostram os antigos depósitos, alojamentos, canhões e a capela. A fortaleza também abriga o Marco de Touros, de 1501, considerado o mais antigo documento histórico do Brasil. A peça, toda em mármore e com a cruz-de-malta esculpida, teria sido o primeiro marco de posse da Coroa portuguesa no país.
A muralha externa da fortaleza tem vista para os recifes da Praia do Forte
A Fortaleza da Barra do Rio Grande, popularmente conhecida como Forte dos Reis Magos ou Fortaleza dos Reis Magos, foi o marco inicial da cidade — fundada em 25 de Dezembro de 1599 —, no lado direito da barra do Potengi (hoje próximo à Ponte Newton Navarro). Recebeu esse nome em função da data de início da sua construção, 6 de janeiro de 1598, Dia de Reis, pelo calendário católico. Em formato de estrela, a fortaleza foi construída pelos colonizadores portugueses em 1598. Em 1633 foi invadida pelos holandeses. Anos mais tarde, os portugueses conseguiram retomar a cidade e o forte. O monumento ainda preserva os canhões expostos na parte superior do prédio, capela com poço de água doce e alojamentos.
O pátio interno da fortaleza estão os antigos depósitos, os alojamentos, os canhões e a capela
Praia do Forte 
(84) 3211.3820/ 3211.6166 
Horário de visitação 
Diariamente – 8h00 – 16h00
Da muralha do Forte é possível ver os prédios da orla de Natal
Este ponto turístico e histórico de Natal é um dos mais importantes da cidade. O Forte dos Reis Magos guarda uma grande herança sobre a história da cidade e sua fundação. 
Se você quer fazer um roteiro mais cultural e conhecer sobre como a linda Natal nasceu, não deixe de conhecer este lugar. 
Aberto para visitação, além de uma arquitetura cheia de conceito, o Forte dos Reis Magos tem uma vista magnifica.
A construção histórica fica na Praia do Forte, a cinco quilômetros do centro de Natal (RN)
FUNDAÇÃO DO “FORTE DOS REIS MAGOS” 
Durante todo o período de colonização do Brasil, cada território descoberto precisaria de uma fortificação para proteger contra novas invasões. Quando Manuel de Mascarenhas Homem chegou às margens do Rio Grande passou então a construir o forte. Isso aconteceu no dia 06 de janeiro de 1598.
Vista do pátio interno do Forte
A pequena paliçada feita toda em estacas de taipa, deu início à construção do forte que foi inaugurado no dia 25 de dezembro de 1599. O nome foi dado em homenagem ao dia do descobrimento da região, data religiosa aos Reis Magos. 
O Forte dos Reis Magos, que possui a forma de estrela, sofreu um ataque de holandeses em 1633 e estes dominaram a região até 1654, quando voltou para as mãos dos portugueses.
A capela está no centro do pátio da construção histórica
Por ser onde está o Marco de Touros, que é o monumento colonial mais antigo do país, além de outros artefatos importantes, o Forte dos Reis Magos passou a ser administrado pelo IPHAN, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional desde 2013. 
Atualmente aqui contabiliza-se também o monumento histórico do país com a segunda maior arrecadação.
O pátio interno da fortaleza estão os antigos depósitos, os alojamentos, os canhões e a capela
CURIOSIDADES 
Durante toda a sua existência, o Forte dos Reis Magos guarda algumas particularidades. Entre elas: 
Para ter acesso ao Forte dos Reis Magos, você precisa fazer uma caminhada de aproximadamente 500 metros por uma passarela totalmente segura. Vale muito a pena pela vista do Rio Potengi e também da Praia de Genipabu. O final do dia nesta passarela é perfeito!
É possível visitar as dependências internas do Forte
No centro do Forte você encontra uma pequena igreja. Sobre o teto desta fica um local secreto onde eram armazenados os armamentos e munições na época dos colonizadores. 
O piso do Forte ainda é o original. Ele possui mais de 400 anos e estão muito bem conservados.
VISITAÇÃO 
O Forte dos Reis Magos guarda canhões originais, ainda da época das invasões e outros artefatos do seu início. Vale muito a pena conhecer o local e desfrutar da linda vista do rio Potengi. O Forte dos Reis magos fica aberto diariamente das 08 horas até as 16h30.
O valor cobrado para ter acesso ao Forte é apenas 3 reais por pessoa e você tem guias credenciados para ensinar ainda mais sobre o local e ser agraciado com uma linda aula de história sobre Natal e também do Brasil. Para grupos grandes, a administração do Forte orienta o agendamento da visita que pode ser feito pelo número (84) 3202 9006.
A FORTALEZA DA BARRA DO RIO GRANDE, POPULARMENTE CONHECIDA COMO FORTE DOS REIS MAGOS OU FORTALEZA DOS REIS MAGOS, LOCALIZA-SE NA CIDADE DE NATAL, NO ESTADO BRASILEIRO DO RIO GRANDE DO NORTE.
A FORTALEZA FOI O MARCO INICIAL DA CIDADE — FUNDADA EM 25 DE DEZEMBRO DE 1599 —, NO LADO DIREITO DA BARRA DO RIO POTENJI (HOJE PRÓXIMO À PONTE NEWTON NAVARRO). RECEBEU ESSE NOME EM FUNÇÃO DA DATA DE INÍCIO DA SUA CONSTRUÇÃO, 6 DE JANEIRO DE 1598, DIA DE REIS PELO CALENDÁRIO CATÓLICO.
O ATUAL FORTE APRESENTA PLANTA POLIGONAL IRREGULAR, ERGUIDO EM ALVENARIA DE PEDRA E CAL. EM TORNO DO TERRAPLENO, AO ABRIGO DAS MURALHAS, ENCONTRAM-SE DISPOSTAS A CASA DE COMANDO, OS QUARTÉIS E OS DEPÓSITOS; AO CENTRO, ERGUE-SE UMA EDIFICAÇÃO DE PLANTA QUADRANGULAR, EM DOIS PAVIMENTOS:
NO PAVIMENTO INFERIOR, SITUA-SE A CAPELA, APRESENTANDO VÃOS EM ARCO PLENO;
NO SUPERIOR, ACEDIDO EXTERNAMENTE POR UMA ESCADA EM DOIS LANCES E ATRAVÉS DE UMA PORTA DE VERGA RETA, DISPÕE-SE A CASA DA PÓLVORA, COBERTA POR UMA CÚPULA PIRAMIDAL. NOS VÉRTICES DESTA PIRÂMIDE, CUNHAIS, CORNIJA E PINÁCULO COMPLETAM O CONJUNTO.
NO TERRAPLENO ABRE-SE, AINDA, A CISTERNA.
O ACESSO AO FORTE É FEITO POR UMA PASSARELA, DA PRAIA AO PASSADIÇO E, A PARTIR DAÍ, ATRAVÉS DE UMA ARCADA À DIREITA, SAINDO PARA O CORREDOR. OUTRA ESCADA DÁ ACESSO AO TERRAPLENO E AO PORTÃO PARA A PRAÇA.
AS SUAS CARACTERÍSTICAS FORAM ASSIM DESCRITAS POR CÂMARA CASCUDO:
"O FORTE SE ERGUIA, A SETECENTOS E CINQUENTA METROS DA BARRA, EM CIMA DO ARRECIFE, ILHADO NAS MARÉS ALTAS. É LUGAR MELHOR E MAIS LÓGICO, ANUNCIANDO E DEFENDENDO A CIDADE FUTURA. A PLANTA É DO JESUÍTA GASPAR DE SAMPERES, QUE FORA MESTRE NAS TRAÇAS DE ENGENHARIA, NA ESPANHA E FLANDRES, ANTES DE PERTENCER À COMPANHIA DE JESUS. É A FORMA CLÁSSICA DO FORTE MARÍTIMO, AFETANDO O MODELO DO POLÍGONO ESTRELADO. O TENALHÃO ABICA PARA O NORTE, MIRANDO A BARRA, COM OS DOIS SALIENTES. NO FINAL, A GOLA TERMINA POR DOIS BALUARTES. O DA DESTRA, NA CURVATURA, OCULTA O PORTÃO, ENTRADA ÚNICA, AINDA DEFENDIDA POR UM COFRE DE FRANQUEAMENTO, PARA QUATRO ATIRADORES E, SOBREPOSTOS À CORTINA OU GOLA, OS CAMINHOS DE RONDA E UMA BANQUETA DE MOSQUETARIA. COM SESSENTA E QUATRO METROS DE COMPRIMENTO, PERÍMETRO DE DUZENTOS E QUARENTA, FRENTE E GOLA DE SESSENTA METROS, O FORTE ARTILHAVA-SE DE MANEIRA IRREPREENSÍVEL. ATIRARIA POR CANHONEIRAS E A MOSQUETARIA PELA GOLA EM SETEIRA NO COFRE OU DE VISADA NA BANQUETA. A ARTILHARIA PRINCIPAL ATIRAVA À BARBETA." (CÂMARA CASCUDO, LUÍS DA. HISTÓRIA DA CIDADE DO NATAL (3ª ED.)"
(Câmara cascudo)

A FORTALEZA DA BARRA DO RIO GRANDE SERVIU COMO SEDE DA ADMINISTRAÇÃO DA CAPITANIA DO RIO GRANDE, RESIDÊNCIA DO CAPITÃO-MOR, COMANDO MILITAR, QUARTEL DE TROPAS E REFÚGIO DOS MORADORES.
ENTRE AS ATRAÇÕES DO MUSEU DESTACA-SE UM MARCO DO DESCOBRIMENTO DO BRASIL (PARA LÁ TRAZIDO NA DÉCADA DE 1990).
OS VISITANTES SÃO RECEBIDOS, À ENTRADA, PELA IMAGEM DOS MAGOS GASPAR, BELQUIOR E BALTASAR, DOADA PELO JOSÉ I DE PORTUGAL (1750-1777).
OS 400 ANOS DA FORTALEZA FORAM COMEMORADOS POR UMA BONITA EMISSÃO FILATÉLICA DA ECT (6 DE JANEIRO DE 1999).
A FORTALEZA FOI, A PARTIR DO ANO 2008, UM DOS 50 MONUMENTOS BRASILEIROS CANDIDATOS À ELEIÇÃO DAS 7 MARAVILHAS DO BRASIL, CUJO RESULTADO SAIU EM 1º DE JANEIRO DE 2009, ONDE NÃO OBTEVE CLASSIFICAÇÃO.
A FORTALEZA FOI UMA DAS ELEITAS DO CONCURSO DA REVISTA CARAS: "SETE MARAVILHAS DO BRASIL".

fonte / fotos = praiasdenatal.com.br / Wikipédia / Thymonthy Becker / viajeaqui.abril.com.br / Divulgação / 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minas são muitas, Todas são gerais