Pular para o conteúdo principal

PENEDO / ALAGOAS - Uma formação rochosa as margens do Rio São Francisco, deu origem a mais bela cidade histórica do Brasil, a primeira de Alagoas




LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "PENEDO" / ALAGOAS / BRASIL
Fundada no século 16, às margens do Rio São Francisco, foi o primeiro povoado de Alagoas. 
O Centro Histórico guarda um significativo conjunto arquitetônico – museus e igrejas dos séculos 17 e 18 – e pode ser visitado a pé. Uma das grandes atrações é o passeio de barco até a foz do Velho Chico.

Na divisa entre Alagoas e Sergipe, às margens do rio São Francisco, está Penedo, considerada uma das mais belas cidades históricas do país. Uma formação rochosa deu origem à cidade, o primeiro povoado do Estado de Alagoas, no século 16. Com igrejas, conventos e outras construções dos séculos 17 e 18, a cidade conta em suas ruas um pouco do passado do Brasil, proporcionando uma volta ao período colonial.
As marcas deixadas pelos colonizadores portugueses e holandeses e pelos missionários franciscanos podem ser vistas em toda arquitetura barroca espalhada pela cidade, que ainda traz a beleza da natureza, como os rochedos e as águas do rio São Francisco.
Casarões antigos margeiam o Rio, na cidade de Penedo (AL)
O primeiro povoado de Alagoas foi fundado no século 16, às margens do Rio São Francisco. Na foto o Museu do Paço Imperial e o Rio São Francisco, ao fundo
Penedo é uma das cidades que Dom Pedro 2º visitou em Alagoas. Ficou hospedado na região em outubro de 1889, na casa do comendador Araújo, atual museu do Paço Imperial, e se admirou com a quantidade de igrejas banhadas a ouro e pelo movimento que faziam os barcos no Velho Chico.
É possível chegar à cidade por terra ou por rio. Localizada a 169 km de Maceió, capital de Alagoas, é possível viajar pela BR-101 ou pelo litoral, na AL-101. Caso esteja em Sergipe, a cidade está a 164 km da capital Aracaju, e há a opção de atravessar de balsa a partir de Neópolis, por R$ 17, o automóvel de passeio.
São muitas opções de construções para visitar em Penedo. Se estiver com disposição, uma ideia é sair andando pelas ruas de paralelepípedo da cidade e entrar no clima da região. Mesmo de carro ou a pé, solicite no hotel ou em uma das igrejas o mapa dos principais pontos turísticos, pois a cidade não é muito bem sinalizada.
Turistas que forem ao restaurante Forte da Rocheira podem saborear carne de jacaré ao Molho de côco com milho e arroz
O Centro Histórico pode ser percorrido a pé, na foto o Convento de São Francisco e Igreja de Santa Maria dos Anjos
Os barcos de vela quadrada são típicos da região da Foz do Rio São Francisco
Para iniciar, logo à frente do rio está o Museu do Paço Imperial, que traz registros do início da cidade, e a Igreja Nossa Senhora da Corrente, datada de 1765, uma das mais bonitas da região. A construção pertencia à família portuguesa Lemos, abolicionistas que escondiam escravos fugitivos em seus compartimentos secretos.
Seu interior é formado por azulejo policromado, de traça portuguesa, piso de mosaico inglês e o retábulo do altar-mor, no estilo rococó, é trabalhado e folheado a ouro. Um guia fica à disposição para contar mais sobre a história da construção durante todo o horário de visita.
Também não deixe de visitar a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, a rua do banheiro e a Casa do Penedo, que possui um rico acervo com documentos da época da invasão holandesa e da escravatura.
Barcos "descansam" às margens do Rio São Francisco
Para quem vai ao Forte da Rocheira, às margens do Velho Chico, pode contemplar a vista do Rio, no Mirante da Rocheira
Artesanato típico da região
Para comer, há alguns restaurantes espalhados pela cidade, como na frente do cais do porto e no Forte da Rocheira, também às margens do rio, local que proporciona um belíssimo pôr do sol.
É possível fazer um passeio até a foz do rio São Francisco. A viagem dura cerca de 45 minutos e o barco fica ancorado no local por uma hora, que além do encontro do rio com mar, tem dunas e coqueiros. Para este passeio, se informe com as embarcações no cais do porto.
As igrejas ficam abertas de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, de sábado e feriados, das 9h às 16h, e aos domingos, de 10h às 16h. O Museu do Paço Imperial funciona de terça a sábado, das 11h às 17h e aos domingos, das 8h às 12h. Todas as visitas são gratuitas, porém há a possibilidade do visitante deixar uma colaboração.
Forte da Rocheira
Altar da Igreja de Nossa Senhora da Corrente

População estimada 2016 (1) - 64.292
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 689,875
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 87,61
Código do Município - 2706703
Gentílico - penedense
ORIGEM DO NOME
O NOME PENEDO ORIGINOU-SE DE A PEQUENA PEDRA. A CIDADE ESTA CONSTRUÍDA SOBRE UM ROCHEDO AS MARGENS DO RIO SÃO FRANCISCO
Gentílico: penedense
HISTÓRICO
Em 1534, Duarte Coelho Pereira, primeiro donatário da Capitania de Pernambuco, desceu pelo litoral, adentrou pela foz e a sete léguas encontrou um pequeno povoado que somente em 1560 foi oficialmente reconhecido pelo segundo donatário, Duarte Coelho Pereira de Albuquerque: Penedo do São Francisco.
Em 1636, foi elevado à categoria de vila com o nome de Vila do Penedo do São Francisco. 
Em 1637, Maurício de Nassau invade Penedo e assim passamos 10 anos sob o domínio holandês. A Vila passa a chamar-se Maurícia.
Mas não tardou a surgir o movimento revolucionário no Penedo, cuja finalidade era arrancar a terra da mão dos invasores.
O movimento revolucionário recebeu o nome de openeda.
Assim, em 19 de setembro de 1645, Valentim da Rocha Pita, grande herói penedense, comanda a batalha final no Alto do Monte Alegre, hoje, Praça Clementino do Monte.
Ali foi erguida uma cruz de pedra, em estilo bizantino, como marco do grande evento.
No ano de 1660 os franciscanos chegaram a Penedo e aqui construíram o convento e Igreja de Santa Maria dos Anjos, com escolas de francês, latim e filosofia.
Em 18 de abril de 1842, Penedo torna-se cidade.
SUGESTÃO DE PASSEIO
Comece o passeio pela Praça 12 de Abril, em frente ao Rio São Francisco, onde está a Igreja de N. S. da Corrente, de 1729. Em estilo barroco, tem azulejos portugueses policromados e altar-mor folheado a ouro - ao lado dele, uma portinhola revela o esconderijo utilizado pelos escravos. 
Saia na direção do Museu do Paço Imperial e suba a Rua Damaso do Monte até a Praça Barão de Penedo. Em frente ao prédio da Prefeitura, veja o Oratório dos Condenados à Forca, de 1769, local onde os prisioneiros rezavam antes da execução. Na mesma praça fica a Catedral Diocesana de N. S. do Rosário, de 1690, fechada para reforma. 
Ao lado, na Praça Rui Barbosa, está o Convento de São Francisco e Igreja de Santa Maria dos Anjos, construído entre 1660 e 1759. Com estilo barroco e rococó, tem altar-mor folheado a ouro e museu com imagens sacras e móveis antigos, além da Casa S. Francisco, que conta a história da ordem franciscana. 
O Centro Histórico de Penedo, Alagoas, possui museus e igrejas do século 17 e 18, como a Igreja Nossa Senhora da Corrente, na Praça 12 de Abril
Suba pela Rua Fernandes de Barros até alcançar a Praça Marechal Deodoro, onde fica a Igreja do Rosário dos Pretos, construída para os escravos no século 17. Ande uma quadra e desça a Rua João Pessoa, passando pela Casa do Penedo, até a Rua Nilo Peçanha. Ali, no nº 165, fica o ateliê do artesão Claudeonor T. Higino, o único santeiro da cidade. 
Siga pela Rua Siqueira Campos e entre à esquerda na Avenida Floriano Peixoto. Depois de alguns passos você alcança o Teatro Sete de Setembro, de 1884. Em estilo neoclássico, foi o primeiro teatro alagoano. A poucos metros fica a Igreja de São Gonçalo Garcia, de 1758, com traços barrocos ornamentados por pedra calcária.
O Oratório dos Condenados à Forca, na Praça Barão de Penedo, era onde os prisioneiros rezavam antes da execução
Uma das grandes atrações de Penedo é ir, de barco ou bugue, até a foz do Rio São Francisco
O paço imperial foi hospedagem de dom Pedro II em 1859, onde estão expostas porcelanas, mobiliário e objetos que contam parte da história da cidade e do Brasil. O ilustre visitante, segundo conta o imaginário popular, teria dito que "o local é muito bonito e creio que deveria estar aqui a capital da província"
Seja bem vindo a cidade que eh banhada pelo rio São Francisco e eh um relicário vivo inestimável. Bem vindo a Penedo nas Alagoas.
AQUI O RIO SÃO FRANCISCO
FOZ DO RIO SÃO FRANCISCO

O CENTRO HISTÓRICO




AQUI A ORLA DA CIDADE
imagem - Hugo Torres
ERGUENDO-SE IMPONENTE SOBRE UM ROCHEDO ÀS MARGENS DO RIO SÃO FRANCISCO, A CIDADE DE PENEDO É UM RELICÁRIO VIVO, QUE CONSERVA UM PATRIMÔNIO ARTÍSTICO-CULTURAL DE GRANDE VALOR, TENDO SIDO PALCO DOS ACONTECIMENTOS MAIS IMPORTANTES DO BRASIL COLONIAL. AS MARCAS DOS COLONIZADORES PORTUGUESES, HOLANDESES E DOS MISSIONÁRIOS FRANCISCANOS, PODEM SER CONSTATADAS NA ARQUITETURA BARROCA DE CONVENTOS E IGREJAS. UM PASSEIO PELAS ÁGUAS DO "VELHO CHICO" É UM CONVITE À DESCOBERTA DE ILHAS, PRAINHAS E LUGAREJOS. A CULINÁRIA E AS MANIFESTAÇÕES FOLCLÓRICAS SÃO ATRAÇÃO À PARTE. AS FESTIVIDADES DURAM O ANO INTEIRO: FESTA DO BOM JESUS DOS NAVEGANTES (JANEIRO), FESTIVAL DE TRADIÇÕES POPULARES E ANIVERSÁRIO DA CIDADE (ABRIL), CIRCUITO DE JEEP (MAIO), SÃO JOÃO (JUNHO), CIRCUITO DE MOTOVELOCIDADE (AGOSTO), PENEDO FEST (OUTUBRO), GINCANA DE PESCA DE ARREMESSO (NOVEMBRO) E NATAL (DEZEMBRO). 
UM DOS INÚMEROS CASARÕES DA CIDADE
imagem - Hugo Torres
AQUI UM PATRIMÔNIO CULTURAL
imagem - Hugo Torres
ARQUITETURA TOMBADA PELO PATRIMÔNIO CULTURAL
imagem - Hugo Torres
VISTA PARCIAL DA CIDADE
imagem - Hugo Torres
UMA DAS RESIDÊNCIAS
imagem - Hugo Torres
A PRAÇA DA IGREJA
imagem - Hugo Torres
VISÃO GERAL DA CIDADE
imagem - Hugo Torres
IGREJA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO
imagem - Hugo Torres
TELHADOS
imagem - Hugo Torres
O TRADICIONAL CORETO
imagem - Hugo Torres
RUA DA ORLA
imagem - Hugo Torres
OUTRO CASARÃO TOMBADO PELO PATRIMÔNIO CULTURAL
imagem - Hugo Torres
LATERAL DA IGREJA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO
imagem - Hugo Torres
INTERIOR DO TEATRO 7 DE SETEMBRO
imagem - Hugo Torres
A CIDADE QUASE QUE DENTRO D'ÁGUA
imagem - Hugo Torres
OUTRO CASARÃO TOMBADO
imagem - Hugo Torres
CONVENTO DE NOSSA SENHORA DOS ANJOS
imagem - Hugo Torres
O CONVENTO NO CONTEXTO DA PRAÇA E RUA
imagem - Hugo Torres
VISTA PARCIAL DA ÁREA CENTRAL
imagem - Hugo Torres
A ORLA DA CIDADE
imagem - Hugo Torres
OLHE QUÃO BONITA ESTAS ARQUITETURAS
imagem - Hugo Torres
AQUI O TEATRO 7 DE SETEMBRO
imagem - Hugo Torres
AQUI O PORTO NO RIO SÃO FRANCISCO
imagem - Hugo Torres
OUTRA TOMADA DO PAÇO IMPERIAL
imagem - Hugo Torres
POUSADA COLONIAL
imagem - Hugo Torres
AVENIDA DA IGREJA
imagem - ?
IGREJA DE NOSSA SENHORA DAS CORRENTE
imagem - Hugo Torres
O VELHO CHICO QUE BANHA A CIDADE
imagem - ?
O VELHO CHICO E A CIDADE
imagem - PMP
IGREJA DE SÃO GONÇALO GARCIA
imagem - Hugo Torres
AQUI O PONTO DAS BALSAS
imagem - Sipeal
COLÉGIO DIOCESANO DA CIDADE
imagem - ?
NO CENTRO DA CIDADE
imagem - ?
MONUMENTO AO NAVEGANTE
imagem - Luana Marques
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO



ACESSE: THYMONTHY BECKER COMUNICAÇÃO


VALEU PELA VISITA. ATÉ A PRÓXIMA. 


fonte/fotos = IBGE / Wikipédia / Prefeitura Municipal de Penedo / viajeaqui.abril.com.br / Thymonthy Becker / uol.com.br / 





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIANÓPOLIS / TOCANTINS - Berço cultural do estado, tem mais à oferecer, cascatas, cachoeiras, museu e "garganta"; platô da serra geral com cânions e mirantes

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "DIANÓPOLIS" / TOCANTINS / BRASIL DIANÓPOLIS
BEM VINDO A CIDADE DE DIANÓPOLIS. CIDADE DO DIANOFOLIA
imagem - ? População estimada 2016 (1) - 21.457
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 3.217,313
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 5,94
Código do Município 1707009
Gentílico - dianopolino
ORIGEM DO NOME DE DIANÓPOLIS, TO
A origem do nome "Dianópolis" está relacionada a Francisco das Chagas Moura, que foi prefeito do município entre os anos de 1934 a 1938. Então, a cidade chamava-se "São José do Du•ro". "Duro" era uma simplificação de "D´ouro", uma vez que a região era rica em ouro em seu subsolo. Quando prefeito, Francisco Moura indicou que a cidade fizesse uma homenagem às senhoras do lugar que chamavam-se "Custodiana", conhecidas pela alcunha de "Diana". Daí a indicação da cidade passar a chamar-se "Dianópolis", quer dizer, "Terra das Dianas".
Gentílico: …

CATAGUASES / MINAS GERAIS - Venha ver e fazer filmes nesta cidade cinematográfica. Deixe saudades e leve lembranças

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "CATAGUASES" / MINAS GERAIS / BRASIL “O nome Cataguases vem – pelo menos, até provas em contrário, pois muitas são as controvérsias nessa cidade em constante questionamento – , pois é, o nome Cataguases parece que vem de uma tribo de índios que habitava a região, os ‘Catu-auás’. Dizem que o nome catu-auá significa em tupi-guarani ‘terra de gente boa’. E Cataguases sabe receber muito bem. Quem bebe da água do Rio Pomba nunca deixa de voltar. Dizem. ” Confira alguns dos mais importantes pontos turísticos de Cataguases. Além de inúmeras obras artísticas e arquitetônicas modernas tombadas pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), Cataguases também oferece inúmeras construções marcantes do final do século XIX, belíssimas paisagens naturais, museus, centros culturais e muito mais! PONTE METÁLICA (DE 1.914) A construção da Ponte Metálica foi determinada em 1910, devido à solicitação do deputado federal Astolpho Dutra Nicácio. Ela…

BRAGANÇA / PARÁ - A cidade respira Fé, Tradição e Cultura, nas belezas de suas praias, manguezais, rios, igarapés e ilhas

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "BRAGANÇA" / PARÁ / BRASIL  Bragança, localizada na região nordeste do Pará, a 210 quilômetros de Belém, capital do Estado, é um dos municípios mais procurados pelos turistas ao longo do ano, em especial durante as férias escolares.
Lar da Marujada, manifestação cultural que reúne milhares de pessoas no município para festejar São Benedito, Bragança tem praias oceânicas belíssimas, pra quem quiser aproveitar em qualquer época do ano.

A cidade, de origem portuguesa, guarda na sua cultura características religiosas marcantes e também festeja São Sebastião e Nossa Senhora de Nazaré.
Suas fronteiras são estratégicas. Assim, o município oferece o maior número de opções aos turistas: ao Norte está o oceano Atlântico, ao Sul, o município de Santa Luzia do Pará, a Leste os municípios de Augusto Corrêa e Vizeu e a Oeste, Tracuateua.

Na língua tupi, Caeté quer dizer 'mato grande' e, por estar localizada à margem esquerda do rio Caeté, Bragança é c…